Notícias /

HRSAJ implanta o primeiro serviço público de Telemedicina em Neurologia do Estado

10/07/2014 13:21

O Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus (HRSAJ), no Recôncavo baiano, está incluído entre os quatro primeiros hospitais públicos a fazerem parte do Projeto de Telemedicina em Neurologia do País. O hospital começou, na segunda-feira (30), a oferecer o serviço de Telemedicina, tornando-se o primeiro hospital público do Estado a implantar o sistema em Neurologia. O projeto foi firmado através da parceria entre o HRSAJ e o Hospital Alemão Osvaldo Cruz, de São Paulo, com o respaldo do Ministério da Saúde, via Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS). No Brasil, hospitais públicos que implantaram a Telemedicina estão Recife, Guarulhos (SP) e Goiânia (GO).

O projeto visa proporcionar consultas por videoconferência, análise de sinais e imagens médicas, troca de informações médicas com profissionais do Osvaldo Cruz. Inicialmente a Telemedicina foi instalada na emergência do hospital, setor cujo fluxo de pacientes em estado grave é maior. O serviço vai ampliar o acesso a diagnósticos mais rápidos e, dessa forma, iniciar o tratamento imediatamente com grandes chances de reverter o quadro clínico de pacientes que necessitam de uma avaliação mais urgente. “Nosso plantonista vai interagir e trocar informações sobre os doentes com uma equipe multidisciplinar do Osvaldo Cruz”, disse o médico Gilmar Calasans Lima, emergencista e coordenador do setor de emergência.

Segundo Calasans, a emergência é a porta de entrada do hospital para pacientes que necessitam de atendimento imediato. Se um paciente com sintomas de derrame cerebral chega à emergência do Regional sem um neurologista de plantão, o acesso virtual a um especialista pode significar a indicação do tratamento certo dentro das quatro horas críticas para evitar sequelas permanentes.

O médico explica que, depois de detectados alguns dos sintomas do AVC, como paralisia em alguns membros e desvio da boca para um lado, o paciente é encaminhado para a neurologia e depois para o serviço de tomografia computadorizada. “Inicia-se a análise do paciente entre os especialistas do Osvaldo Cruz e a equipe do Regional. Os exames de imagem serão transmitidos por meio de uma câmera com alta resolução, permitindo que o caso assistido pelo HRSAJ, quando necessário, seja discutido e avaliado de forma interativa”, explicou.

Para o médico, haverá a chance de decisões mais acertadas, com o compartilhamento de informações, além de outras vantagens. O serviço vai permitir avaliação à distância de pacientes com Acidente Vascular Cerebral ou derrame (AVC) isquêmico em neurologia. “Vai diminuir a incidência de mortes e sequelas do AVC. A Telemedicina é um recurso para pacientes não cirúrgicos, em Neurologia, o que chamamos de AVC Isquêmico. O serviço agiliza o diagnóstico e a terapêutica com maior rapidez, pois o paciente não vai esperar pelo atendimento de um especialista. Pode ser que o neurologista esteja no meio de uma cirurgia e o emergencista não seja da área. Então ele usa a Telemedicina para resolver problemas neurológicos com maior rapidez”, ressaltou.

Rita Maia, supervisora de Enfermagem da Emergência do Hospital Regional, explicou que o projeto consta da implantação de uma Central de Telemedicina, com recursos de áudio e vídeo para comunicação, em tempo real, na unidade de emergência do Regional com o Hospital Alemão Osvaldo Cruz, em São Paulo. “São dispositivos móveis de vídeo, câmera e monitor, conectados via rede WiFi. A ligação externa ocorre através de um telefone fixo. O equipamento foi enviado pelo Ministério da Saúde”, salientou.

Para operar a nova tecnologia, o Regional treinou médicos e enfermeiros da emergência, que vão operar os equipamentos e implantar os processos necessários à assistência. Profissionais do Hospital Alemão Osvaldo Cruz implantaram o projeto no Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus, entre eles Roberto Carneiro de Oliveira, coordenador médico de Telemedicina para o AVC. “A tecnologia é usada para apoiar o diagnóstico e a terapêutica nos casos graves em que o profissional que está no plantão, por exemplo, não é o especialista e de repente precisa de uma segunda opinião, de um especialista, e ele consegue isto à distância. Isso tem melhorado muito a resolubilidade dos casos”, destacou.

O diretor geral do Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus, Alex Carvalho, destaca que a Telemedicina possibilita aos médicos a troca de informações à distância, seja para debater a melhor escolha de tratamento para um paciente ou investir na capacitação profissional. “É um avanço que está rompendo barreiras e levando serviços médicos aos mais variados hospitais”.

Fonte: Ascom HRSAJ
/hrsaj/telemedicina em neurologia