Notícias /

Sala de espera fortalece educação para crianças e adolescente com diabetes

30/07/2014 16:23

Suco de duas laranjas, beterraba e cenoura. A receita do suco para diversificar o café da manhã é apresentada pela pedagoga Ceiça Cristo, na atividade “Contagem de Carboidratos” para crianças e adolescentes com diabetes atendidos no Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba). Os pais (mães na quase totalidade) também participam, tirando dúvidas e socializando suas vivências.

A contagem de carboidratos está no cronograma da Sala de Espera para os meses de julho e agosto. A ação foi iniciada ano passado, com o objetivo de fortalecer as ações educativas. Além da contagem de carboidratos, pacientes e famílias também estão aprendendo sobre cidadania, saúde bucal, hipoglicemia, cuidados com os pés e cuidados especiais.

Educação

Como a alimentação é muito importante para o controle do diabetes, o Cedeba ensina o caminho da alimentação saudável a crianças e adolescentes de forma lúdica, para facilitar a aprendizagem. Com fichas coloridas que trazem o alimento e quantidade de carboidratos – jogo Contando Carboidratos, desenvolvido pela equipe técnica do Cedeba – os pequenos pacientes aprendem rapidamente.

Segundo a pedagoga Ceiça Cristo, o momento mais difícil para os pais é quando recebem o diagnóstico de diabetes. Os que têm menos acesso à informação pensam que terão de comprar para o filho apenas alimentos diet (bem mais caros). Com o trabalho de educação eles aprendem que o paciente diabético pode ter uma alimentação saudável, com alimentos que fazem parte do cardápio da família, desde que observe as quantidades de carboidratos do plano alimentar definido pela nutricionista para cada refeição.

Durante a atividade de Contagem de Carboidratos, os familiares dos pequenos pacientes fazem muitas perguntas. Eles são unânimes em destacar a importância da atividade. Residente no município de Ibotirama, no oeste da Bahia, Maria de Fátima Alves, mãe de Milena Alves Silva, 18 anos, diabética desde os nove anos, afirma que “aqui no Cedeba o atendimento é muito bom. Gosto muito do trabalho de educação, porque me ajuda muito a entender o diabetes”.

A pedagoga, ao mostrar a necessidade de conhecer os carboidratos – transformam-se totalmente em açúcar – e usá-los nas quantidades corretas, pontuou a importância das saladas, usando vegetais que são saudáveis e não contam carboidratos: repolho, tomate, cenoura, beterraba, alface e pepino.

Marta de Jesus, residente em Jequié, a cada dois meses traz a filha Maria Luiza, de sete anos, para acompanhamento no Cedeba. “Acho ótimo a orientação que recebemos aqui. Quando soube, há dois anos, que minha filha estava diabética, foi um choque. Mas agora já estou bem mais tranqüila porque sei que se tiver os cuidados necessários, ela pode ter uma vida normal. E também porque há doenças muito piores do que diabetes”, refletiu.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/espera