Notícias /

I Fórum Brasileiro marca o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio

03/09/2014 13:15

O suicídio constitui importante questão de saúde pública em todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que até 2020, mais de 1,5 milhões de pessoas irão cometer suicídio a cada ano. O Brasil ocupa a 67ª posição numa classificação mundial em taxa de suicídio, mas em números absolutos, o Brasil está entre os 10 países com maior número de suicídios. Os índices mais altos de suicídios foram observados na região sul e centro-oeste. Apesar de a região nordeste ter as menores taxas, os maiores aumentos foram vistos nesta região.

Durante o V Congresso Brasileiro de Toxicologia Clínica, que será realizado entre os dias 10 e 12 próximos, no Fiesta Bahia Hotel, numa iniciativa da Associação Brasileira dos Centros de Informação e Assistência Toxicológica e Toxicologistas Clínicos (Abracit), por meio do Centro de Informações Antiveneno da Bahia (Ciave), da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), acontece o I Fórum Brasileiro sobre Suicídio e o III Fórum Baiano sobre Suicídio, com o tema “Suicídio: aspectos éticos, sociais e clínicos”. O Fórum ocorre no dia 10 de setembro, Dia Mundial da Prevenção do Suicídio.

Nos últimos anos, o Centro de Informação Antiveneno (Ciave) da Bahia, através do Núcleo de Estudo e Prevenção do Suicídio (NEPS), preocupado com o impacto causado pelo aumento significativo no número de mortes por suicídio e no número de tentativas de suicídio, realizou o I e o II Fórum Baiano sobre Suicídio, com o objetivo de produzir na comunidade uma discussão em torno do tema do suicídio e de sua prevenção. O NEPS realiza uma média de 400 atendimentos mensais, que incluem atendimentos em psicologia, psiquiatria e terapia ocupacional.

“A morte pode esperar?”

Durante o I Fórum Brasileiro sobre Suicídio, a coordenadora e idealizadora do NEPS, Soraya Carvalho, lança o livro: “A morte pode esperar? Clínica Psicanalítica do suicídio”, definido pela autora como “produto das inquietações despertadas a partir de uma prática clínica de mais de duas décadas, acompanhando em psicanálise pessoas que tentaram o suicídio ou que corriam o risco de fazê-lo, em contextos público e privado, no Ciave/NEPS, ambulatório de saúde mental ligado à rede pública de saúde do estado da Bahia, e em consultório particular.”

Segundo Soraya Carvalho, estudos mostram que mais da metade das mortes violentas no mundo são em decorrência do suicídio, com números que apontam em torno de 3 mil mortes por dia no mundo e mais de 1 milhão de mortes por ano. Como existe subnotificação desses eventos, os números devem ser ainda maiores.

“No que se refere à tentativa de suicídio, estima-se que para cada suicídio consumado, ocorram entre 10 e 25 tentativas, ou seja, 10 a 25 milhões de tentativas de suicídio por ano no mundo. Se considerarmos que metade das pessoas que se suicidam já tentaram suicídio anteriormente, isso faz da tentativa de suicídio um importante fator de risco do suicídio, tornando o tratamento de pessoas que tentaram contra a própria vida uma ação essencial na prevenção do suicídio”, conta a coordenadora do Neps.

Programação

O I Fórum Brasileiro sobre Suicídio será aberto com uma conferência sobre o tema “Panorama do Suicídio no Brasil e no Mundo – Diretrizes e Estratégias do Plano Nacional de Prevenção do Suicídio no Brasil”, a cargo de Carlos Felipe Almeida D’Oliveira, responsável pela equipe que criou as Diretrizes de Prevenção do Suicídio, no Ministério da Saúde, em 1996.

Ainda pela manhã, acontece mesa redonda sobre “Suicídio na Atenção Básica”, abordando os seguintes temas: “Configuração da Política de Assistência do Suicídio na Rede de Atenção” e “A Inserção da Política de Prevenção do Suicídio na Atenção Básica”. Em seguida, conferência sobre “O Suicídio e sua Prevenção”, com José Manoel Bertolote, médico brasileiro que esteve à frente da criação do Suicide Prevention Program, um manual de prevenção do suicídio onde a OMS propõe recomendações para que os países-membros desenvolvam ações e políticas próprias que englobem assistência e prevenção do suicídio.

À tarde, acontece mesa redonda sobre “Suicídio: Família e Sociedade”, com os temas “Impactos do Suicídio na Família” e “Suicídio e Dependência Química”. Uma conferência sobre “Suicídio e Doença Mental”, proferida por Neury José Botega, e mesa redonda sobre “A Experiência do NEPS na Atenção e Prevenção do Suicídio” encerram a programação do evento.

A.G. Mtb 696/Ba
Ciave/suicídio