Notícias /

Realizado o primeiro transplante de pele na Bahia

22/09/2014 17:19

Com mais de 80% do corpo atingido por queimaduras de 2º e 3º graus, o menor JBT, de 11 anos, foi submetido a um transplante de pele no último dia 22 de agosto, no Hospital Universitário Edgar Santos (Hupes), em Salvador. O garoto foi o primeiro paciente a receber o aloenxerto, que é o enxerto com pele oriunda de doação de órgãos e tecidos.

A coordenadora da Rede de Apoio Especializado da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), Fátima Rocha, explicou que JBT, que foi vítima de um acidente com a rede elétrica, ficou um ano internado no Hospital Geral do Estado (HGE) e passou por vários procedimentos.
A coordenadora destacou que a Bahia não dispõe de Banco de Pele e, para realizar o transplante, a coordenação do Sistema Estadual de Transplante (Coset), juntamente com a coordenação de Redes de Apoio Especializado (Crae), cadastrou o Hupes como transplantador de pele, junto ao Sistema Nacional de Transplante (SNT) do Ministério da Saúde (MS).

Ela acrescenta que o procedimento é indicado também nas perdas de substâncias da pele por tumor ou trauma e, entre os problemas mais comuns que podem ocorrer na implantação do enxerto são seroma, hematomas e infecções.

“O paciente, que esteve internado por mais de um ano no HGE, foi transferido para o Hupes e só então submetido ao transplante de pele, que veio do Banco de Pele do Paraná. Essa foi a primeira vez que o procedimento foi realizado na Bahia. Todos da Sesab estão torcendo para que o paciente recupere-se bem, sabendo que o aloenxerto foi um passo importante para o sucesso do seu tratamento”, conclui Fátima Rocha.

Mas para viabilizar procedimentos dessa natureza na Bahia, sem precisar recorrer a outros estados, o coordenador Estadual do Sistema de Transplantes, Eraldo Moura, explicou que a Sesab está trabalhando no sentido de implantar um Banco de Multitecidos (pele, osso e válvulas cardíacas), que será financiado com recursos do Ministério da Saúde (MS).

Moura acrescentou que outro passo importante é o credenciamento de equipes e serviços para realizar o transplante.

Moura ressaltou que atualmente o estado faz transplantes de tecidos: osso, córnea, medula óssea, pele; e de órgãos como rim, fígado, cardíaco, além de pulmão que está em fase de implantação no Hospital Ana Nery.

Sesab/Ascom
HGE/Queimados/pele1