Notícias /

Congresso sobre Transplante de Órgãos e Tecidos começa amanhã

24/09/2014 17:44

Com conferência sobre o tema “Panorama dos Transplantes no Brasil – histórico, desenvolvimento e desafios”, a cargo do médico Valter Duro Garcia, da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), será aberto amanhã (25), às 19h30min, na sede da Associação Bahiana de Medicina (ABM), o Congresso “Transplante de Órgãos e Tecidos”. O evento, iniciativa da ABM, em parceria com a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), prossegue até o dia 27, com o objetivo de discutir questões técnicas relacionadas ao processo doação/transplantes de órgãos.

Um dos pontos altos do congresso será a Caminhada pela Vida, que acontecerá no próximo domingo, dia 28, de 8 às 12 horas, partindo do Cristo em direção ao Farol da Barra. A finalidade é chamar atenção da população para a importância da doação de órgãos. O encontro ocorre durante a Campanha Nacional de Incentivo à Doação de Órgãos, comemorada na última semana de setembro, por iniciativa da ABTO, Ministério da Saúde e secretarias estaduais de Saúde.

Para o médico Eraldo Moura, coordenador do Sistema Estadual de Transplante da Sesab, a parceria entre a Sesab e a ABM na promoção do congresso é uma “iniciativa de extrema importância, para estimular os profissionais da saúde, especialmente os médicos, a se envolverem mais com o tema”. Ainda segundo Eraldo Moura, a Bahia registra baixos índices de doação de órgãos e transplantes, e o apoio da ABM pode contribuir para que o Estado avance cada vez mais no processo de doação/transplante de órgãos.

Pré Congresso

Uma programação pré-congresso voltada para médicos será desenvolvida amanhã, durante o dia, na Faculdade de Medicina da UFBa, capacitará os profissionais para o diagnóstico de morte cerebral. Além disso, na sede da ABM, das 8h30min às 10 horas, haverá uma atividade voltada para a comunidade – um painel educacional sobre o conceito de morte encefálica e doação de órgãos e tecidos para transplantes.

A Bahia apresenta atualmente um dos maiores índices de negativa das famílias à doação de órgãos do país: cerca de 70%. Para o médico Eraldo Moura, o desconhecimento da população sobre o processo de doação e transplantes certamente é uma das maiores explicações para os números. Somente no primeiro trimestre deste ano, o Estado ocupou o 5º lugar em número de potenciais doadores, totalizando 132. Desses, em apenas 32 casos as famílias permitiram a doação, o que fez a Bahia cair para o 8º lugar em doações efetivas no País.

Ascom/Sesab
Central de Transplante/abre