Notícias /

Pacientes do Cedeba se movimentam com a palestra sobre “Motivação e Atividade Física”

16/10/2014 17:52

A mensagem “Saúde é atitude” num banner, no hall do auditório, também se repetia nas camisetas usadas pelos pacientes do Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Bahia (Cedeba), que participaram, na manhã de hoje, da palestra “Motivação e Atividade Física”, da educadora física Zilmara Cândido. Auditório lotado e forte motivação dos pacientes para repetir, ao som da música, movimentos orientados pela palestrante, deram o tom prático dos ensinamentos, passados com muita didática.

A palestrante mostrou que nos tempos atuais fazer atividade física está associado à questão estética e quem fica preso a esse conceito se frustrará com o passar do tempo, com o envelhecimento do corpo. Depois de mostrar a evolução do conceito do corpo, através da história, Zilmara Candido destacou que na pós-modernidade, constata-se a hiper valorização do corpo como objeto de prazer, o individualismo e o hedonismo (teoria que afirma ser o prazer o supremo bem da vida humana).

Motivação e energia

Mas, segundo explicou a palestrante, é preciso encarar a atividade física como uma atitude saudável que resulta em mais saúde. Mas para começar, seja a atividade física ou um programa de reeducação alimentar, mudar é essencial (sinônimo de crescimento e desenvolvimento pessoal). Mas- pontuou – é preciso querer mudar.

Iniciativa do Cedeba, por meio Núcleo de Obesidade, para assinalar a passagem do Dia Mundial de Combate à Obesidade, que transcorreu sábado (11 de outubro), a palestra no auditório do Centro de Atenção à Saúde Professor José Maria de Magalhães Netto, motivou os participantes. E motivação, segundo a palestrante, é fundamental para que as pessoas mantenham a prática da atividade como hábito. Mas é preciso também ser resiliente: ter capacidade de retomar o que fazia antes, ao interromper algo por conta de uma situação difícil.

Zilmara Cândido disse que “é necessário lutar contra a zona de conforto. Chegar em casa e ficar sentado ou deitado para assistir à novela é uma prática cada vez maior”. O mundo moderno, segundo a educadora física, acena que é possível melhorar a saúde – emagrecer, por exemplo – sem esforço e muitas pessoas se iludem com essa falsa possibilidade.

São remédios milagrosos em forma de comprimidos e cremes, divulgados em revistas e na Internet. As soluções rápidas e fáceis para o emagrecimento e melhor qualidade de vida são numerosas, mas não passam de mentiras, segundo a palestrante. É preciso -defendeu – resistir às soluções mágicas porque se a pessoa não consegue os resultados desejados, vem a frustração e a desmotivação.

Segundo a palestrante, mudar exige paciência. O ideal é começar estabelecendo metas pequenas que motivarão a prosseguir. Na alimentação, três metas sugeridas pela nutricionista do Cedeba, Lorena Fracolossi: aumentar a ingestão de água (oito copos por dia), aumentar o consumo de frutas e verduras e mastigar bem os alimentos. Em relação à atividade física, começar devagar para tentar formar o hábito. No lazer, incluir atividades que não sejam apenas comer e beber. Ter atitudes que ajudem a diminuir o estresse, como agradecer as coisas boas de cada dia é muito interessante. Nos relacionamentos, cercar-se de pessoas alegres que possam ajudar a alegrar sua vida. Também é importante tornar saudável o ambiente onde se vive, o que vale para a família e o trabalho. Após a palestra, o Núcleo de Obesidade do Cedeba apresentou um vídeo com atividades desenvolvidas com pacientes este ano.

A.M.V. Mtb 694/Ba 
Cedeba/obesidade1