Notícias /

No Dia Mundial do Diabetes, pacientes do Cedeba recebem mensagens educativas

14/11/2014 19:22

Os pacientes que foram hoje ao Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) receberam dose extra de mensagens educativas sobre o diabetes, na programação da “Sextazul”, que marcou o Dia Mundial do Diabetes, que este ano teve como tema “Vida Saudável & Diabetes”. E vida saudável passa pela prática de atividade física, alimentação saudável, controle de ganho de peso e adesão ao tratamento.

E como o caminho da vida saudável para o controle do diabetes passa pela educação, a programação do Dia Mundial, no Cedeba, foi focada na educação com atividades lúdicas nos diversos setores da unidade. Logo na recepção, servidores da equipe de saúde, usando o azul – cor símbolo da luta contra o diabetes – nas camisas e nos cabelos – apresentaram um repente, que despertou grande atenção dos pacientes: “Meu amigo, minha amiga/ouça o que eu vou dizer/viver bem com diabetes/é possível pode crer”. E continuaram cantando e dramatizando, com mensagens sobre os riscos da doença e como evitá-los.

Além do repente, também despertou grande interesse a peça “Xô Dona Hipo”, que divulga a importância dos cuidados na prevenção da hipoglicemia. De autoria da enfermeira do Cedeba Maria das Graças Velanes, a peça tem como atores agentes comunitários de saúde do Centro de Saúde Major Cosme de Farias. As apresentações itinerantes foram feitas em todos os setores pela manha e à tarde.

Na sala de educação em diabetes, pacientes participaram de dinâmicas com tira-dúvidas e jogos lúdicos, trabalho desenvolvido pela Coordenação de Educação e Apoio à Rede (Codar). Em jogos conduzidos pela enfermeira Graça Velanes e pela assistente social Júlia Coutinho, da Codar, os pacientes que participaram da atividade responderam a perguntas sobre prevenção e cuidados com o diabetes e ganharam adoçantes.

A programação do Dia Mundial do Diabetes também abriu espaço para homenagens: a primeira delas foi prestada à enfermeira Maria Neuza de Mello Ribeiro, que faleceu no último dia 5 de setembro, e que durante 20 anos integrou a equipe do Cedeba, ultimamente como chefe do Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME). E foi no SAME que a memória de Neuza ficou gravada no Cedeba, numa placa descerrada por seus filhos e pela diretora do Cedeba, Reine Chaves, que na oportunidade, a definiu como uma pessoa “dedicada, amorosa e dedicada ao serviço público”. “Um exemplo que deve ser seguido por todos nós”, complementou.

Em nome dos servidores, a assistente social e advogada Júlia Coutinho destacou as virtudes de Neuza, sua “lealdade, fidelidade e perseverança”, destacando a sua “paciência budista”, que a tornava um ser humano especial. As filhas de Neuza, Ana Carolina e Mariana, muito emocionadas, agradeceram as homenagens e revelaram que para sua mãe, o Cedeba era como uma segunda casa, o lugar aonde ela se sentia feliz.

A técnica de enfermagem Maria Amorim Flores que também faleceu este ano, também foi homenageada com a inauguração de uma placa na Ala Amarela (onde são atendidos os portadores com pé diabético), local onde Amorim fazia a diferença, pelo amor e dedicação aos pacientes com pé diabético.

Outras atividades

O Shopping Iguatemi também se integrou às comemorações do Dia Mundial do Diabetes e recebeu, numa ação conjunta do Cedeba e Sociedade Brasileira de Diabetes/Regional Bahia, a Mostra “Vida Saudável e Diabetes”. Num espaço no segundo piso do centro comercial foram abordados temas como “Nutrição e Alimentação”, “Cuidados com a pele do diabético”, “Prevenindo o Diabetes”. Haverá também o espaço “Tira Dúvidas”, além de exposição de novas tecnologias e produtos diet, com degustação.

Durante todo o dia foi intenso o movimento de pessoas em busca de informações no Iguatemi. À tarde, a diretora Reine Chaves, acompanhou os trabalhos que contou com o apoio de parceiros, como a Sociedade Brasileira de Diabetes(SBD),Regional Bahia.

Para encerrar a programação do Dia Mundial, no próximo dia 22, sábado, às 10 horas, no teatro Módulo, será apresentada a peça “Sem Açúcar e com Afeto”, que trata da temática da diabetes. A peça será apresentada com entrada gratuita e o teatro tem capacidade de 300 pessoas.

Entre 2000 e 2010, de acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes, a doença matou mais de 470 mil pessoas, fazendo com que o Brasil atingisse a quarta posição em número de casos no mundo. Atualmente, são mais de 13,4 milhões de pessoas com diabetes do tipo 2, especialmente pessoas obesas acima de 40 anos.

Dados da Bahia apontaram uma prevalência de diabetes auto referido de 6,5% na população de 18 anos e mais. Em números absolutos, isso representa em torno de 635.751 pessoas. Estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Diabetes, em 1988, mostrou que uma média de 7,2% da população maior de 30 anos, no Brasil, tinha diabetes. As estatísticas mostram a importância das ações de promoção à saúde que possibilitem prevenir ou retardar o aparecimento do diabetes, como destaca a diretora do Cedeba, a endocrinologista Reine.

O Dia Mundial do Diabetes foi instituído pela Federação Internacional de Diabetes, entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), e introduzido no calendário em 1991, como resposta ao alarmante crescimento do diabetes em todo o mundo. O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Diabetes, com a parceria das secretarias estaduais e municipais da Saúde, buscam massificar informações sobre a doença e sua prevenção.

Em vários países do mundo, o alerta é feito durante todo o mês de novembro, conhecido como “Novembro Azul”. Isso porque, o símbolo global do diabetes é um círculo azul, cor que reflete o céu que une todas as nações e a bandeira das Nações Unidas; o círculo, em diferentes culturas, simboliza vida e saúde. O circulo azul representa a unidade da comunidade mundial em resposta à epidemia do diabetes, doença que em todo o mundo, mata uma pessoa a cada 8 segundos.

Ascom Cedeba
/cedeba/dia mundial