Notícias /

Saúde vai custear 1.048 novas bolsas de residência médica em 2015

11/02/2015 19:00

Egressos de faculdades de medicina terão mais oportunidades para se especializar. O Ministério da Saúde vai financiar 1.048 novas bolsas de residência em 47 especialidades prioritárias para o Sistema Único de Saúde (SUS). Com a expansão, serão abertas 6.545 vagas em todo o país, o que representa um crescimento de 19% em relação ao ano passado. A portaria com o resultado das instituições autorizadas será publicado no Diário Oficial da União.

Além dessas bolsas, o Ministério da Saúde também lançará um edital para instituições que não foram contempladas em seleções anteriores solicitarem financiamento de bolsas de residência em medicina geral de família e comunidade. As medidas fazem parte do Programa Nacional de Apoio à Formação de Médicos Especialistas em Áreas Estratégicas (Pró-Residência), que estimula a expansão de vagas em programas de residência médica.

“Nós estamos consolidando a ideia de que o SUS tem o compromisso de também cuidar da formação do profissional de saúde, especialmente em medicina da família, permitindo que os médicos que atuem em equipes de saúde da família tenham a formação adequada. Além disso, o financiamento das bolsas pelo Ministério da Saúde permite que os municípios, que já oferecem residências com recursos próprios, possam investir esse recurso em outras atividades”, destacou o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

As 1.048 novas vagas serão ofertadas por 337 programas de residência de 137 entidades, entre hospitais filantrópicos, órgãos públicos e instituições de ensino superior. As especialidades com maior número de bolsas aprovadas foram medicina geral de família e comunidade (257), clínica médica (125), cirurgia geral (85), pediatria (70), e ginecologia e obstetrícia (63) – áreas priorizadas pelo Ministério da Saúde.

As vagas estão distribuídas em 22 estados e abrangem as cinco regiões do país. O Sudeste conta com a maior quantidade de bolsas – 490 -, seguido pelo Sul (219) e pelo Nordeste (213). No Norte, são 72 bolsas aprovadas, e no Centro-Oeste, 54. O valor de cada bolsa é de R$ 2.976,26 por mês. A expansão representa um investimento de R$ 37,7 milhões, por parte do Ministério da Saúde, para a manutenção dessas bolsas.

Novo Edital

Programas de residência médica não contemplados nos editais anteriores do Pró-Residência terão oportunidade de solicitar financiamento de bolsas na especialidade de medicina geral de família e comunidade. A seleção é voltada para vagas já autorizadas pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

Pelo novo edital, o Ministério da Saúde poderá financiar até 300 bolsas que já existem e são custeadas com recursos da própria instituição. As instituições interessadas que cumprirem os requisitos podem se inscrever por meio do sistema SigResidências, por meio do endereço http://sigresidencias.saude.gov.br, no período entre 11 e 20 de fevereiro. Os resultados serão divulgados no final deste mês.

“As residências de medicina geral de família e comunidade são uma prioridade para o país nos próximos anos, tanto que todos os pedidos feitos pelas instituições foram aprovados. Com o novo edital, o Governo Federal poderá assumir também o financiamento das vagas abertas nas localidades que hoje já têm programa de residência nessa especialidade, mas é financiada com recurso próprio”, afirmou o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Heider Pinto

Mais Médicos

A expansão da formação médica é parte do Programa Mais Médicos, que prevê a criação, até 2017, de 12,4 mil novas vagas de residência, além de 11,5 mil vagas de graduação, com o foco na valorização da Atenção Básica e de outras áreas prioritárias para o SUS. Em 2014, o governo federal autorizou 2.822 novas vagas de residência.

Também já foram autorizadas 4.460 novas vagas de graduação, sendo 1.343 em instituições públicas e 3.117 em instituições privadas. Além disso, estão sendo abertos 39 novos cursos de medicina em cidades que não são capitais e não possuem faculdades de medicina.

Fonte: MS
/ms/bolsas

Notícias relacionadas