Notícias /

Insulina, plano alimentar e atividade física são essenciais no controle do diabetes na criança e adolescente

07/07/2015 16:38

O diagnóstico de Diabetes Mellitus – DM Tipo 1 (Grupo Infanto Juvenil) deixa a família muito angustiada. Mães passam a não conseguir dormir, temendo que a criança ou adolescente tenha hipoglicemia (queda do nível de glicose no sangue) durante o sono. Por isso o apoio à família dos pacientes com DM1 é essencial, como destacou hoje a líder do Serviço Infanto-Juvenil do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), a endocrinopediatra Lívia Leite, na sessão de atualização em diabetes que o Cedeba, por meio da Coordenação de Educação e Apoio à Rede (Codar), promove sempre na primeira terça-feira do mês.

Embora o paciente com DM1 seja atendido pela Rede Especializada, a Atenção Básica tem um papel muito importante na identificação dos casos e no acompanhamento dos pacientes, além das ações de educação, pois, como pontuou Lívia Leite, ao apresentar o tema “Manejo Clínico para o Diabetes Mellitus Tipo 1 (Grupo Infanto-Juvenil): uma proposta para as Unidades de Saúde da Família.”, ainda que o paciente use a mais avançada insulina, se ele não seguir o Plano Alimentar e não fizer atividade física, não terá o sucesso esperado no controle glicêmico.

Insulina sempre

A partir do diagnóstico de DM1, o paciente terá que fazer uso diário da insulina. Trata-se de uma doença auto-imune que destrói as células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina. Embora o DM1 seja mais frequente na faixa dos 10 aos 14 anos, pode atingir crianças de qualquer idade, inclusive bebês. A DMI representa 90% dos casos de diabetes na infância, embora os casos de diabetes tipo 2 venham aumentando na infância e na adolescência, em razão do crescimento da obesidade.

Ao dar essas explicações, Lívia Leite defendeu que “há necessidade de desmistificar o tratamento do DM1, pois atitudes simples podem ser feitas na unidade básica de saúde. A Atenção Básica – pontuou – com ações de educação pode contribuir para aumentar o controle dos pacientes, orientando as família quanto à aplicação e conservação da insulina, e também orientando sobre a alimentação saudável e adequada à realidade econômica e cultural do paciente.

Geralmente a identificação dos casos de DM1 acontece de forma abrupta com o paciente sendo internado num quadro de emergência. Mas há sinais que podem indicar a presença de DMI. A criança sente mais sede, urina mais, sente mais fome, mas perde peso. Pode também, segundo explicou a especialista, apresentar visão turva, fadiga, dor abdominal aguda e infecções fúngicas.

Um olhar sobre Diabetes Tipo 1

Graça Velanes, coordenadora da Codar, também ressaltou a importância da Atenção Básica para o Controle do DM1 , mas reconheceu que por exigir um manejo mais especial, os profissionais ainda se sentem temerosos. Mas- destacou – há necessidade de quebra deste paradigma o que deve acontecer com as clinicas de especialidades. Graça Velanes colocou muitos pontos para reflexão dos participantes da sessão, como a questão do auto-cuidado em diabetes, o que vem sendo feito na educação dos pacientes nos municípios: algum material lúdico? Algum jogo educativo? Também questionou sobre as ações desenvolvidas com a família.

As sessões de atualização em diabetes têm como público-alvo trabalhadores do SUS da Atenção Básica – da capital e interior, além de estudantes de nível superior da área de saúde. O crescimento da participação dos representantes da Atenção Básica de Salvador, nas sessões de atualização, foi ressaltado pela coordenadora da Codar.

Ascom Cedeba
/cedeba/insulina

Notícias relacionadas