Notícias /

“Hidrocefalia pode ser detectada no pré-natal”, alerta neurocirurgião do HEC

29/07/2015 18:13

Casos de hidrocefalia chegam ao Hospital Estadual da Criança (HEC), Feira de Santana, frequentemente. De fácil detecção, tanto na fase pré-natal como na fase pós-natal, a doença é o acúmulo de excesso de líquido no interior do cérebro, o que leva ao aumento da pressão intra-cerebral.

Segundo o neurocirurgião do HEC, Rui Nei Araújo, o cérebro humano possui uma cavidade no interior dele chamada ventrículo, onde é acumulado um líquido especial denominado líquor. “Nós produzimos e absorvemos esse líquido todos os dias, de forma a manter uma quantidade no cérebro e na medula em torno de 150ml. Porém, na hidrocefalia (em torno de 90% dos casos), pode haver uma dificuldade na absorção do líquor – o que provoca um aumento da quantidade de líquido no interior do cérebro -, ou uma super produção desse líquido”, explica.

Rui Nei Araújo acrescenta que “detectada a hidrocefalia na criança, o tratamento é basicamente cirúrgico. Há duas modalidades de cirurgia frequentemente utilizadas no HEC: a Derivação Ventrículo Peritonial (DVP) – na qual um sistema de cateteres drena o excesso de líquido do cérebro para o abdome – e o tratamento por Endoscopia. Na DVP, um cateter é colocado no interior do ventrículo, acoplado a uma válvula que detecta diferença de pressão, e outro cateter sai da válvula e vai para o peritônio, onde é absorvido o líquido e o mesmo volta para a corrente sanguínea”.

O tratamento endoscópico, por sua vez, é uma técnica mais moderna na qual é utilizado um aparelho que permite adentrar a cavidade do cérebro, onde o líquido é acumulado, para fazer uma rota alternativa para esse líquido conseguir circular dentro do sistema nervoso central. “Comparando as duas técnicas, não há uma melhor que a outra; depende da indicação para o paciente e da preferência dos familiares”, pontua o neurocirurgião.

A realização adequada do pré-natal, em especial a ultrassonografia do 2º trimestre, é considerada de grande relevância por Dr. Rui Nei Araújo, pois contribui para a detecção de doenças como a hidrocefalia ainda no período gestacional. “A prevalência de hidrocefalia na sociedade é de um a dois casos a cada dois mil habitantes. Hoje em dia, a forma como os obstetras vêm realizando os exames de pré-natal está ajudando a detectar precocemente esta má formação. Por isso, é importante que as mulheres realizem o acompanhamento de forma correta”, alerta.

Fonte: Ascom HEC
/hec/hidrocefalia

Notícias relacionadas