Notícias /

Secretaria da Saúde do Estado realiza inspeção surpresa em três maternidades da capital

15/08/2015 19:52

Investir na formação de novas enfermeiras obstetras e requalificar o quadro de servidores desta área são exemplos de iniciativas que serão desenvolvidas nos próximos meses pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). A decisão é do secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas, após verificar, neste sábado (15), no Dia da Gestante, as condições de atendimento da população e a estrutura de três maternidades estaduais em Salvador.

“Nacionalmente há uma carência de médicos obstetras e neonatologistas e aqui na Bahia, infelizmente, não é diferente, seja na rede pública ou particular. No entanto, além de estimular a abertura de novas residências médicas nestas áreas temos que fortalecer o trabalho de equipes multidisciplinares e a enfermeira obstetra é uma peça-chave”, afirma o secretário Fábio Vilas-Boas.

Acompanhado do ex-presidente da Associação Baiana de Medicina (ABM), o médico obstetra Antônio Carlos Vieira Lopes, do diretor da Rede Própria sob Gestão Direta da Sesab, Jassicon Queiroz, e do assessor de relações institucionais da Sesab, Mateus Simões, o secretário visitou o Instituto de Perinatologia da Bahia (Iperba), além das maternidades Tsylla Balbino e Albert Sabin.

Na avaliação do ex-presidente da ABM, que ano passado visitou as mesmas unidades acompanhado do Ministério Público Estadual, houve uma grande evolução, o deixando positivamente impressionado. “As admissões estavam vazias, o acolhimento bem feito, ainda que as equipes não tenham o quadro necessário de técnicos, enfermeiros e médicos. Do que eu vi antes e do que estou vendo agora, foi uma grata surpresa”, ressalta Antônio Carlos.

O ex-presidente da ABM também considera um excelente modelo de assistência a proposta do secretário. “Eu vim de uma fase onde a equipe era multidisciplinar e funcionava muito bem. Ainda mais no momento que faltam médicos obstetras, uma das alternativas é complementar com enfermeiras obstetras, pois possuem formação e sentido de cuidadoras”, pontua Antônio Carlos, ao avaliar ainda que “o médico é um especialista para resolver as questões mais complexas da obstetrícia. Dentro da minha visão, aquilo que é fisiológico, pré-natal de baixo risco e parto normal deveria ser o papel da enfermeira, sempre trabalhando com um médico atuando como um consultor, mas nunca como um trabalho isolado”, analisa.

As inspeções sem comunicação prévia às unidades de saúde serão uma rotina, podendo ocorrer em qualquer dia da semana, e além de aferir a qualidade do atendimento, visam fiscalizar o cumprimento das escalas dos profissionais e analisar o bom funcionamento dos equipamentos.

Notícias relacionadas