Notícias /

A conquista da saúde financeira deve começar com a prevenção na infância

27/10/2015 17:08

As estatísticas no Brasil apontam o crescente endividamento da população. Motivadas pela propaganda, as pessoas nas sociedades capitalistas tendem ao consumo desenfreado, que pode causar estragos no orçamento familiar. E há situações em que o cidadão precisa passar por momentos de grande dificuldade para aprender sobre a necessidade de adequar o consumo à capacidade de pagamento. Em resumo: conquistar a saúde financeira.

E visando a ajudar os servidores a manter o equilíbrio de suas contas, o Setor de Recursos Humanos do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), está desenvolvendo o “Projeto Saúde Financeira” para disseminar a pratica entre os servidores. Com o aumento do poder de compra e a facilidade de acesso aos bens de consumo, a educação financeira é a busca de alternativas para aprender a administrar o próprio dinheiro, sair da dívida, do endividamento, e também planejar os gastos e economizar.

Na Infância

“E a educação financeira deve começar na infância, com a discussão sobre o preço de brinquedos, os presentes em datas especiais, o controle da mesada”, defende o superintendente do Conselho Regional de Economia (Corecon), o economista Bruno Pires Sacramento. Ele fará palestra para os servidores do Cedeba, no dia 25 de novembro, às 12h30m, integrando as atividades do” Projeto Saúde Financeira”, que começa no próximo dia 4 de novembro, com a palestra do coordenador administrativo do Procon, Filipe Vieira.

Em razão da importância da saúde financeira, Bruno Pires Sacramento, defende a necessidade de as escolas também participarem da educação dos alunos, porque no contato com os colegas também cresce na criança o desejo do consumo. “São os lançamentos de brinquedos, o novo modelo de celular. Os apelos são muitos e, desde cedo, a criança precisa aprender a necessidade de consumir com responsabilidade. Na sua opinião, seria muito interessante que o assunto integrasse as grades curriculares das escolas.

Educação financeira é fundamental, na análise do superintendente do Corecon, e pode ser aprendida mesmo para as pessoas mais compulsivas em relação ao consumo. Nos momentos de crise – destacou – a educação financeira é ainda mais importante. Se o poder de compra cai e a pessoa não reduz o consumo, a saúde financeira fica comprometida.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/financeira

Notícias relacionadas