Notícias /

Informação é essencial para o cuidar do diabetes e deve ser multiplicada

06/11/2015 18:09

O forte e continuado trabalho de educação do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) com os pacientes diabéticos teve hoje ação especial: a Universidade do Diabetes (Unidia), marcando a celebração antecipada do Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro). Logo cedo, os participantes, usando crachás com as cores especificas de cada uma das quatro faculdades, participaram da abertura dos trabalhos no auditório do Centro de Atenção à Saúde (CAS), com a presença do superintendente de Atenção Integral à Saúde da Sesab, José Raimundo Mota, que representou o secretário Fábio Vilas-Boas; da diretora do Cedeba, Reine Chaves Fonseca e da equipe técnica.

Passaram pelas Faculdades do Corpo e Mente, Alimentação Saudável, Saúde Cidadã e Medicamentos 200 pacientes, distribuídos em dois turnos. Eles tiveram a oportunidade de ampliar seus conhecimentos sobre o diabetes com aulas dinâmicas e práticas. Mas antes das aulas, na sessão de abertura,o representante do secretário estadual de Saúde mostrou a importância da socialização do conhecimento: “aprender só funciona quando multiplicamos o conhecimento”. A troca de conhecimento – analisou – permite aprender mais e ganhar mais.

José Raimundo Mota disse que é muito bom ter um dia especial para o diabetes, porque é uma oportunidade para chamar a atenção de todo o país e do mundo para a doença e de todos que ocupam cargos no Governo, visando a melhoria da qualidade de vida dos pacientes.

A diretora do Cedeba também destacou a importância da comemoração do Dia Mundial do Diabetes, com foco nas ações educativas. “É mais uma oportunidade para estarmos juntos e aprendermos mais como tratar o diabetes. Apesar de a doença não ter cura – observou – o conhecimento ajuda o paciente a se cuidar mais e ter melhor qualidade de vida, evitando as complicações do diabetes, que atingem os olhos (retinopatia diabética), as pernas e pés (neuropatia) e rins (nefropatia).

O aprendizado dos pacientes sobre alimentação, direitos, medicamentos deve ser passado para a família e os vizinhos. Por isso – pontuou – hoje, dia específico de aprendizagem é uma oportunidade especial para o paciente aprender mais sobre a doença e viver melhor.

Participação

Sob a coordenação da Codar (Coordenação de Educação e Apoio à Rede), as Faculdades da UNIDIA – a experiência já alcançou 91 municípios – ofereceram aulas com atividades práticas que facilitaram a aprendizagem. Na Faculdade da Alimentação Saudável, os alunos contaram com uma mesa arrumada com as três refeições e para cada refeição duas opções. A nutricionista Lorena Fracalossi transmitia as informações de forma interativa com os pacientes. Quando ela explicou sobre o hábito saudável de beber água em jejum e apresentou sugestão de cardápio para o café, da manhã, o paciente José Florêncio, um exemplo de disciplina no tratamento do diabetes observou: “não pode esquecer medicamento também”.

Na Faculdade Saúde Cidadã, os pacientes aprenderam sobre seus direitos. Eles fizeram muitas perguntas sobre o tema. Eles também passaram pela Faculdade do Corpo e Mente, conduzida por profissionais de Psicologia e Fisioterapia. A fisioterapeuta Lorena Arruda estimulou os pacientes a praticarem atividade física, ressaltando a importância do exercício, que deve ser entendido como remédio e muito importante para o controle do diabetes. E na Faculdade de Medicamento, informações sobre a conservação de comprimidos e da insulina, a necessidade de usar a medicação.

Os pacientes aplaudiram a iniciativa do Cedeba, por meio da Codar, de ampliar as informações sobre a diabetes com as Faculdades. Maria de Lurdes Santos de Jesus, que vem sendo acompanhada no Cedeba há três anos, disse que “repassa para a comunidade tudo o que aprende sobre diabetes”. Moradora do bairro da Palestina, em Salvador participa de grupos de idosos e procura ajudar quem sabe menos sobre diabetes.

Qualidade de Vida

Este ano, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia – Sesab/Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) elegeu o tema “Qualidade de Vida e Diabetes” para marcar o Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, conforme recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes-2015 (site www.diabetes.org.br),

A informação é muito importante para o auto-cuidado e melhoria da qualidade de vida, segundo a coordenadora da Codar, Graça Velanes. A ação da Unida hoje envolveu 50 servidores do Cedeba, entre administrativos e corpo técnico (médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas e farmacêuticos). Os participantes tiveram oportunidade de interagir com os profissionais de saúde algumas atitudes no seu dia a dia, para fortalecerem seu auto cuidado.

A educação, como explica a assistente social da Codar, Júlia Coutinho, faz parte do tratamento do diabetes numa perspectiva de levar o maior número de informações possíveis sobre a patologia e a sua forma de tratamento. A clínica ampliada na atualidade – pontuou – é vista como um dos processos de trabalho mais eficazes para a adesão do tratamento, tendo em vista que o olhar crítico e reflexivo das equipes envolvidas nos processos educativos despertam nas pessoas com diabetes o interesse de buscar ferramentas que propiciem atitudes do “despertar para o auto gerenciamento” posibilitando, assim, autonomía nas suas decisões cotidianas mediante acordo com a equipe de saúde que o acompanha.

E o Dia Mundial do Diabetes, 14 de novembro, pela mobilização em todo o planeta é uma oportunidade especial para um trabalho concentrado focado na prevenção e nos cuidados para garantir maior qualidade de vida aos pacientes com diabetes. A data foi definida pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS), e introduzida no calendário em 1991, como resposta ao alarmante crescimento do diabetes em todo o mundo.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/Unidia1

Notícias relacionadas