Notícias /

Educação faz parte do tratamento do diabetes

11/11/2015 17:42

O Dia Mundial do Diabetes (14 de novembro), quando há uma mobilização em todo o planeta para alertar a população sobre o aumento da doença, que precisa de controle para evitar as complicações que reduzem a qualidade de vida, é também uma oportunidade para reforçar a importância da educação em diabetes. A educação, como destaca a coordenadora de Educação e Apoio à Rede (Codar), Graça Velanes, do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), faz parte do tratamento, numa perspectiva de levar o maior número de informações possíveis sobre a patologia e a sua forma de tratamento, melhorando o acesso e conhecimento às pessoas com diabetes.

O Cedeba vem avançando com a educação em diabetes, com a experiência da Universidade do Diabetes (Unidia), inspirada por ocasião do Congresso Brasileiro de Diabetes sediado em Salvador, em 2005. A implementação da metodologia atraiu os olhares dos profissionais envolvidos nas Faculdades da Unidia, e até dos profissionais de outros Estados. Em muitos municípios/unidades de saúde da atenção básica, com ênfase no Programa de Saúde da Família, esta atividade educativa já faz parte do calendário anual para as comemorações do Dia Mundial e até nas ações de grupos educativos. De 2009 a 2014, a Unidia chegou a 91 municípios baianos, de 26 regiões.

A Unidia chega aos municípios como resultado de uma ação de compartilhamento da Sesab/Cedeba, por meio da Codar e Coordenação Técnica (Coatec). As faculdades que integram a Unidia são inspiradas nos Sete Comportamentos para o Autocuidado: comer saudavelmente, praticar atividade física, vigiar as taxas dos exames, tomar os medicamentos nas doses e horários corretos (insulina e antidiabéticos orais), adaptar-se saudavelmente, resolver problemas e diminuir riscos. As faculdades da Unidia utilizam processos dinâmicos e reflexivos, levando o paciente a despertar para a importância do auto-cuidado.

Segundo Julia Coutinho, assistente social da Codar, “a clínica ampliada é um dos processos de trabalho mais eficazes para a adesão do tratamento, tendo em vista que o olhar crítico e reflexivo das equipes envolvidas nos processos educativos despertam nos pacientes com diabetes o interesse na busca de ferramentas que propiciem atitudes de “despertar para o autocuidado”. Isso – pontuou – possibilita ao paciente autonomia nas suas decisões cotidianas, mediante negociação com a equipe de saúde que o acompanha.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/mapa

Notícias relacionadas