Notícias /

Manhã interativa com crianças autistas atrai muitos participantes para o HEC

07/03/2016 12:18

Muitas crianças com o transtorno do autismo participaram, neste sábado (5), da manhã interativa realizada no Hospital Estadual da Criança (HEC) pelo grupo multiprofissional do programa Rotary Saúde Móvel Novo Mundo, numa parceria entre o hospital e o Rotary Club International.

Cerca de 30 crianças, acompanhadas por seus pais, participaram do encontro e realizaram atividades lúdicas e educativas com a equipe multiprofissional, composta por nutricionista, terapeuta ocupacional, neuropediatra, pediatra, enfermeira e fonoaudióloga.

Mariana Mattos, mãe de Luca Mattos, 5 anos, presente no evento e considerou a iniciativa do programa muito boa, uma vez que nunca participou de eventos como esse, voltado para crianças autistas, no município de Feira de Santana. “Sempre que participamos de atividades, são em grupos fechados, organizados por pais de crianças. Fico muito feliz em poder participar de um momento como esse. Ninguém paga essa felicidade, esse momento fantástico que meu filho está vivendo aqui”, afirma.

Para Adriana Cardoso Gotschald, pediatra e diretora de saúde, é gratificante ver que o objetivo final do programa foi alcançado. “Fazer as crianças interagirem, orientar as famílias sobre a melhor forma de tratar e cuidar da criança portadora do autismo, e alertar a sociedade sobre a importância do diagnóstico precoce para que o encaminhamento possa ser feito mais cedo e de forma adequada, são os objetivos que alcançamos com esta manhã interativa. Estou muito contente com o resultado”, declara.

De acordo com Durval Freire Olivieri, membro do Rotary Club Internacional, o projeto Saúde Móvel se insere nas políticas de envolvimento com a comunidade e com as novas gerações que a entidade filantrópica realiza, enquanto catalisadora de ações sociais beneficentes e multiplicadoras.

“Estimular nas comunidades o cuidado com as crianças autistas e a importância do diagnóstico precoce é muito pertinente, uma vez que, quando não tratado, o autismo pode se tornar uma doença que ocasiona a exclusão social. Então, considero muito importante mobilizar a sociedade para mudar a sua atuação em relação ao autismo através de eventos como esse”, explica Durval Olivieri.

Ascom HEC
/hec/autismo

Notícias relacionadas