Notícias /

Experiência do Cedeba no Rastreamento de diabetes foi passada para técnicos do Maranhão e Tocantins

11/03/2016 17:08

As equipes das secretarias da Saúde dos Estados do Maranhão e Tocantins, que encerraram hoje a visita de três dias ao Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), tiveram aula especial sobre Rastreamento Populacional de Diabetes Mellitus (DM), da coordenadora de Educação e Apoio à Rede (Codar), Graça Velanes. As técnicas participaram ativamente da aula, com perguntas e cálculos para a ação, que visa à identificação da diabetes na população maior de 18 anos, e encaminhamento para tratamento, e que na Bahia, já é feita como rotina nas Unidades de Saúde da Família, cuja capacitação é realizada pelo Cedeba.

Graça Velanes apresentou os critérios usados para o rastreamento, os recursos e insumos necessários, tendo explicado detalhadamente a aplicação da ficha de investigação, cujo resultado sinaliza se o risco para diabetes é muito alto, moderado, ou se não há risco, e os encaminhamentos para unidades de saúde. Para o rastreamento, o ponto de partida é definir o grupo populacional com base na prevalência de diabetes de cada estado. Na Bahia, a prevalência de diabetes é de 5% da população, enquanto no Maranhão é de 7%.

Enfermagem

As visitantes também tiveram hoje exposição da coordenadora de Enfermagem do Cedeba, Cristina Gomes. A enfermagem, ligada à Coordenação Técnica (Coatec), está presente em todos os setores do Centro – e conta com 37 profissionais entre enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem. E o trabalho da enfermagem para o diabético exige mais que conhecimentos técnicos científicos, porque o paciente, por ter medo da doença, tende ao sentimento de negação, atitude que reflete no seu comportamento, como enfatizou a palestrante.

A enfermagem está presente no atendimento ao paciente com diabetes, na assistência em obesidade e nos novos ambulatórios: o neuroendócrino (acromegalia) e o de práticas integrativas e complementares, este em parceria com a UFBa, e que vem tendo grande aceitação dos pacientes que buscam a reflexologia podal e o reiki, que os ajudam a reduzir a tensão e o estresse.

Dinâmica da percepção

O encerramento da programação dos visitantes contou com dinâmica da percepção, trabalhada por Graça Velanes e a assistente social da Codar, Júlia Coutinho. Teve o objetivo de trabalhar a autopercepção, e como as pessoas recebendo a mesma orientação podem perceber por um ângulo diferente.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/visita

Notícias relacionadas