Notícias /

Análogos de insulina também exigem alimentação adequada e exercícios físicos

06/04/2016 12:13

O principal motivo para a solicitação ao Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (CEDEBA) do uso de análogos de insulina foi a hipoglicemia moderada – 64,4% – como mostra o resultado da avaliação do Protocolo para Uso de Análogos com 642 pacientes de um total de 934, sendo 39% do interior e 61% da capital. Quanto ao tipo de diabetes, 50,7% do tipo 1 e 48,8% tipo 2. No grupo estudado ficou evidenciado a presença de complicações do diabetes: neuropatia( 26%), nefropatia, 25,9%, retinopatia, 26,9% e doença cardiovascular, 17, 6%.

O resultado da avaliação foi apresentado na manhã de hoje pela diretora do Cedeba, endocrinologista Reine Chaves Fonseca, na sessão temática de atualização em diabetes no auditório do Centro de Atenção à Saúde (CAS) para profissionais da Atenção Básica e estudantes da área da saúde. E a avaliação mostra a importância do protocolo para o Uso de Análogos de Insulina: a redução do número de eventos de hipoglicemia, bem como a redução da mediana de hemoglobina glicada (média da glicemia dos últimos três meses) em 0,5 % nos primeiros seis meses de participação no protocolo.

Muito importante

Segundo observou a diretora do Cedeba a hipoglicemia – quando a taxa de glicose no sangue fica muito baixa – e representa um fator de risco. Para os pacientes idosos pode levar à quedas e fraturas. E a hipoglicemia moderada (mais de duas por semana) está entre os critérios para a solicitação de análogos de insulina.

Os análogos de insulina ajudam na redução de hipoglicemias, especialmente noturnas e na variabilidade da glicemia em jejum e dia a dia. Também possibilitam maior controle da glicemia pós prandial – duas horas após as refeições – (comparado a aplicação de regular logo antes da refeição), além de permitir estilo de vida mais flexível (reduz a necessidade de lanches entre as refeições, aplicação da insulina rápida imediatamente antes de alimentar-se).

Para o ingresso e manutenção do tratamento no Programa Estadual de Fornecimento de Análogos de Insulina é preciso seguir o que determina o protocolo técnico para dispensação dos análogos de insulina de ação basal e ultra-rápida para pacientes com diabetes mellitus, instituído com a Portaria 1603, de 14 de novembro de 2012.

É necessário que o paciente mantenha boa adesão ao tratamento, comprovando-se através de relatório do médico assistente, indicando a adesão ao plano alimentar e à prática de exercícios físicos regulares controlados. Com isso, o foco no autocuidado é fortalecido porque o paciente também tem metas a cumprir em relação á hemoglobina glicada.

O Cedeba é responsável pela dispensação de análogos de insulina no âmbito do estado da Bahia. Tanto para pacientes do SUS como os que são atendidos por planos de saúde ou médicos particulares porque se trata de medicação de alto custo.

Rastreamento de diabetes

A sessão temática começou com a apresentação do enfermeiro do trabalho do Departamento de Promoção Social, da Policia Militar da Bahia, Davi Reis. Ele explicou que nas ações de autocuidado com os policiais militares, já que eles precisam estar saudáveis, os diabetes merecem atenção especial. Ele apresentou o resultado do rastreamento em diabetes realizado com 118 policiais da Companhia Independente de Policiamento Especializado -CIPE – caatinga, sediado em Juazeiro, com o apoio do Cedeba. Do grupo estudado, 10 evidenciaram risco muito alto de desenvolver diabetes, 69 risco moderado e 39 risco baixo, no prazo de de3z anos. E quando um policial torna-se diabético às vezes é preciso afastá-lo para o tratamento porque o tipo de atividade do pessoal que trabalha na CIPE Juazeiro não permite refeições em horários certos, nem a correta hidratação, cuidados essenciais para o paciente diabético

Ascom/Cedeba

Notícias relacionadas