Notícias /

Começa a campanha de vacinação contra Influenza no HGCA

18/04/2016 17:03

Começou hoje (18) a campanha de imunização contra a gripe Influenza no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA), em Feira de Santana. A campanha, que estava prevista para começar dia 30 de abril, foi antecipada devido ao aumento de casos da doença na Bahia e também pela aproximação da Micareta deste, ano que começa no próximo dia 28. A campanha de vacinação do HGCA está sendo executada pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (NVEH), com o apoio do Serviço Integrado de Saúde do Trabalhador (SIAST).

A vacinação é anual, devido às mudanças das características dos vírus influenza consequentes da diversidade antigênica e genômica a cada ano. A vacina é contra indicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores, bem como a qualquer componente da vacina ou alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

De acordo com Maria auxiliadora Rios, coordenadora da vigilância epidemiológica do HGCA, todos os trabalhadores do HGCA, bem como puérperas e outros grupos de risco que estejam internados na unidade serão vacinados. “Solicitamos apenas que os trabalhadores da saúde, especialmente aqueles que estão de passagem no HGCA (motoristas de ambulâncias, técnicos de enfermagem de outros municípios), participem das campanhas em suas respectivas cidades. Isso porque recebemos uma quantidade limitada de vacinas”, disse Auxiliadora, acrescentando que a previsão é imunizar 2.200 trabalhadores do HGCA.

Influenza

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

Os sintomas, muitas vezes, são semelhantes aos do resfriado, que se caracteriza pelo comprometimento das vias aéreas superiores, com congestão nasal, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar, mialgia e cefaleia. A maioria das pessoas infectadas se recupera dentro de uma a duas semanas, sem a necessidade de tratamento médico.

Fonte: ASCOM/HGCA
Clériston Andrade/Vacina

Notícias relacionadas