Notícias /

Encontro discute as demandas da saúde mental infanto juvenil

15/06/2016 18:16

“Temos que refletir como está a Rede de Saúde Mental do Estado, lembrando das nossas crianças e adolescentes que não estão na escola, que não têm atendimento”, pontuou a diretora da Gestão do Cuidado da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), Liliane Mascarenhas, na abertura do II Encontro Baiano de Saúde Mental Infanto Juvenil, nesta quarta-feira (15), na Escola Bahiana de Medicina. Liliane ainda acrescentou que a discussão tem que contemplar também às demandas da saúde mental dos adultos.

Com programação que segue até amanhã (16), o encontro propõe discutir as potencialidades e desafios dos serviços da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), a articulação dos Centros de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi) do Estado da Bahia com outros serviços da Rede que atuam com a população infanto juvenil, a exemplo do Ministério Público, que também estava no evento, representado pelo promotor de justiça da Infância e Juventude, Carlos Martheo Guanaes.

Ele ressaltou a importância de se trabalhar em rede para oferecer o atendimento necessário a estas pessoas. “Ainda que o campo jurídico tenha seu mundo e a saúde o seu, nós temos que trabalhar em rede, em prol de uma única causa: a saúde da criança e do adolescente”.

Para Aline Góes, psicóloga e musicoterapeuta que trabalha no Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSi) de Camaçari, o encontro, que tem como tema central “Por um novo tempo: reconhecimento e cidadania para a saúde mental infanto juvenil”, é importante para discutir as garantias de direitos que envolvem lazer, esporte, saúde e a perspectivas de políticas de atenção voltadas para crianças e adolescentes.

Tendo em vista a necessidade de abordagem multiprofissional e intersetorial, o público alvo do II Encontro são profissionais dos distintos pontos de atenção da RAPS voltados para o público infanto juvenil; profissionais da área da educação, assistência social, justiça e direitos humanos; gestores municipais e representantes das áreas técnicas de saúde mental, saúde da criança e do adolescente da Sesab.

Durante os dois dias do evento, estes profissionais vão discutir temas como avaliação da RAPS infanto juvenil na Bahia: avanços e impasses; infância e adolescência na cena atual; institucionalização; uso de substâncias psicoativas e redução de danos; medicalização e violência

Ascom/Sesab
Saúde Mental

Notícias relacionadas