Notícias /

Retinopatia Diabética: doença silenciosa que pode levar à cegueira

05/07/2016 17:26

O controle da pressão arterial é tão importante quanto o da glicemia para a prevenção da Retinopatia Diabética (RD), uma das principais complicações do diabetes mellitus, e a maior causa de perda visual irreversível e previsível em pacientes em idade laborativa (entre 20 e 74 anos) em todo o mundo. A RD é silenciosa, daí muitos pacientes, mesmo com a doença, apresentarem boa acuidade visual. E em muitos casos, o diagnóstico acontece quando a doença está avançada

Essas considerações foram feitas na manhã de hoje pela retinóloga e coordenadora do Serviço de Oftalmologia do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba), Tessa Mattos, na sessão mensal de atualização em diabetes, no auditório do Centro de Atenção à Saúde, que teve como tema central “Retinopatia Diabética”. Ela enfocou “Como Reconhecer e Tratar”, e o retinólogo de Itabuna, Rafael Andrade, apresentou “Mutirão do Olho: Uma Experiência Exitosa do Hospital de Olhos Beira Rio”, evento que está completando 12 anos, e conta com ampla mobilização do município.

Controle

Na sessão, iniciativa do Cedeba, unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), por meio da Coordenação de Educação em Diabetes e Apoio à Rede (Codar), que acontece sempre na primeira terça-feira do mês, Tessa Mattos apresentou dados de um estudo realizado em 1993, com 1441 pacientes diabéticos. Ficou evidenciado que mantendo a glicemia sob controle o risco de desenvolver RD cai em 76% e em 5% a progressão da doença já instalada.

O método mais simples para o diagnóstico de RD, segundo explicou a especialista, é o exame do fundo do olho, que deve ser feito para os pacientes com Diabetes Mellitus tipo 1 (DM1) na puberdade ou cinco anos após o diagnóstico, enquanto no tipo 2, com o diagnóstico de diabetes, devendo ser repetido anualmente. Nas pacientes grávidas com diabetes, a avaliação deve ser trimestral.

Apesar dos avanços no tratamento da RD, onde se incluem fotocoagulação a laser, cirurgias e terapia intra-ocular, “nenhum tratamento terá um bom resultado se o paciente não tiver um bom controle metabólico: glicemia, hipertensão arterial sistêmica, principalmente. Estima-se que no Brasil, dois milhões de pessoas tenham algum grau de RD.

O diabetes afeta cerca de 3 a 7% da população brasileira e a doença tende a crescer com o aumento da expectativa de vida da população. É preciso, segundo Tessa Mattos, “que o paciente tenha o conhecimento sobre a doença, pois o tratamento é multidisciplinar e envolve mudança nos hábitos de vida: suspender o fumo, plano alimentar adequado, atividade física e medicação.” O profissional de saúde é o vínculo do conhecimento, e a educação é fundamental para que os pacientes mantenham a doença sob controle, uma vez que 76% dos diabéticos no Brasil, atualmente, estão mal controlados, observou.

Mobilização

O foco da palestra de Tessa Mattos sobre a importância do controle glicêmico na prevenção da RD foi complementado com a experiência exitosa do Mutirão do Olho, que acontece em Itabuna, há 12 anos, marcando o Dia Mundial do Diabetes. No primeiro ano, segundo o retinólogo e doutor em Ciências Visuais pela UNIFESP, coordenador geral do Mutirão do Diabético, Rafael Andrade, foram 129 pacientes.

O Mutirão vem crescendo em mobilização e serviços, ganhando destaque nacional. No mês de novembro, Itabuna veste-se de azul (cor do diabetes). Há ampla adesão do governo (em todos os níveis) e da sociedade civil, com ampla cobertura dos meios de comunicação.

Além das atividades educativas e dos serviços de saúde em espaço aberto, o foco na prevenção da RD se amplia com as atividades médicas. Em torno de dois mil pacientes diabéticos fazem o exame de fundo de olho. Dependendo da avaliação, ele é encaminhado para avaliação do pé diabético ou para o nefrologista.

Este ano, as atividades do Mutirão em Itabuna serão no dia 26 de novembro, mas as atividades já estão planejadas e, segundo o retinólogo Rafael Andrade, deverão crescer em mobilização como vem acontecendo historicamente.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/retinopatia diabética

Notícias relacionadas