Notícias /

Cartilha alerta para risco de suicídio

14/09/2016 15:02

“Suicídio: estigma e enigma social. Falando abertamente sobre o assunto”. Esse é título da cartilha lançada na manhã de hoje, durante seminário realizado no auditório do edifício anexo do Hospital Geral Roberto Santos, numa iniciativa do Núcleo de Estudos e Prevenção do Suicídio (Neps), serviço do Centro Antiveneno da Bahia (Ciave), integrando as atividades do Setembro Amarelo, mês em que transcorre o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio (10 de setembro).

O evento foi aberto pela psicóloga Soraya Carvalho, idealizadora e criadora do Neps. Segundo ela, o suicídio é considerado hoje um grave problema de saúde pública. Segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de um milhão de suicídios são contabilizados anualmente e, para cada caso de suicídio, estima-se que ocorram 15 a 25 tentativas, sendo a depressão o principal fator associado ao risco de suicídio.

Elaborada pela equipe do Neps, a cartilha sobre prevenção do suicídio alerta para os sinais e sintomas do suicídio. Entre os fatores de risco de suicídio citados na publicação estão as manifestações de sofrimento psíquico (depressão e uso abusivo de substâncias psicoativas), tentativa anterior de suicídio e dificuldade de lidar com perdas.

“Quem se decide pela morte precisa ser acolhido, escutado, respeitado. É alguém que precisa de ajuda e não de críticas, julgamento ou condenação”, pontuou Soraya Carvalho, que durante o seminário também falou sobre a história do Neps, que atua na prevenção de suicídios e redução de reincidências da tentativa deste evento.

Resultado positivo

As atividades do Neps foram iniciadas em 1991 e atualmente, conforme Soraya Carvalho, é referência na Bahia e vem tendo seu modelo exportado para outros centros no Brasil. As ações do núcleo incluem orientação aos pacientes e familiares, e também a preparação de equipes de saúde.

Pioneira no país, a experiência de acompanhamento psicológico ambulatorial contínuo a pacientes com comportamento suicida, implementada no núcleo, já foi apresentada em diversos encontros científicos. De acordo com a psicóloga, a continuidade do acompanhamento posterior ao atendimento emergencial tem resultado numa taxa inferior a 0,01% na reincidência de tentativas de suicídio.

O Neps disponibiliza tratamento psicológico, psiquiátrico e de terapia ocupacional a pessoas em risco de suicídio. Entre as propostas de intervenção do núcleo, que foram inclusive apresentadas essa manhã, durante o seminário, estão a exibição de filmes (Cineps), oficinas de arte e atividades de literatura – recentemente foi criado o Espaço de Leitura do NEPS.

A.G. Mtb 696/Ba
Ciave/cartilha

Notícias relacionadas