Notícias /

Acesso ao tratamento da obesidade será ampliado na Bahia

20/10/2016 17:14

Ao som da música “Garota de Ipanema”, o desfile de Moda Plus Size (tamanho grande), reunindo oito pacientes do Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia (Cedeba) – algumas que já perderam muito peso – e outras ainda em tratamento – teve até torcida. O auditório do Centro de Atenção à Saúde, onde as pacientes puderam mostrar sua beleza, ressaltada pela maquigem, e seu charme, estava lotado desde cedo, porque foram muitas as atividades que marcaram a celebração do Dia Nacional de Prevenção da Obesidade.

A programação foi centrada no fortalecimento da auto-estima, porque o paciente com obesidade sofre muito com as atitudes preconceituosas da sociedade. E para tornar realidade a celebração, todo a equipe multiprofissional do Núcleo de Obesidade do Cedeba se envolveu. “Um trabalho que ultrapassa os compromissos profissionais”, como ressaltou a diretora do Cedeba, Reine Chaves Fonseca.

Ampliação

A alegria da diretora com o trabalho do Núcleo de Obesidade foi ampliada com a mensagem que lhe foi passada hoje, pelo secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas: o acesso da população da Bahia ao tratamento da obesidade será ampliado, com a criação de 28 núcleos do Cedeba, nas diferentes regiões do Estado.

A descentralização e ampliação do atendimento serão muito importantes, segundo Reine Chaves, porque a obesidade vem crescendo em todo o mundo. Mais que um problema estético – explica – a doença é fator de risco para outras doenças crônicas, principalmente diabetes e hipertensão arterial.

E o sucesso do tratamento e controle da obesidade, como destaca a diretora do Cedeba, passa pelo trabalho integrado da equipe multidisciplinar, “como fazemos aqui”. A celebração do Dia de Prevenção da Obesidade mostrou essa integração de forma clara. A primeira atividade foi a exibição de um vídeo enfocando o trabalho da equipe e retrospectiva da celebração em 2015. Em seguida, a assistente social, Glaucia Loyola falou sobre os Direitos da Pessoa com Obesidade, enfocando a questão da acessibilidade e dos problemas que os pacientes enfrentam no dia a dia. Embora a legislação assegure que os pacientes possam não passar pelo torniquete, são freqüentes os caos de obesos que ficam presos porque motoristas e cobradores de coletivos não respeitam os obesos.

“Somos pessoas normais”

Quem já venceu a batalha contra a obesidade sabe como é difícil a vida de quem tem excesso de peso. Patrícia Batista dos Santos, almoxarife, 34 anos, fez bariátrica há cinco anos e hoje pesa 90 quilos, mas já teve 157 quilos. Ela observa que a sociedade não respeita o paciente com obesidade, que sofre com os preconceitos e brincadeiras de mau gosto. Ela participou do desfile e estava muito feliz. “É muito importante para mostrar que somos pessoas normais e que a obesidade não pode ser sinônimo de feiúra”.

Márcia da Paixão Pinto, 46 anos, é um exemplo de sucesso no tratamento da obesidade do Cedeba. Conseguiu reduzir de 131 quilos e 700 gramas para 70 quilos e 700 gramas. Exatos 60 quilos sem cirurgia bariátrica. “O Cedeba foi muito importante para mim. Quando cheguei só pensava em bariátrica, mas como tinha que esperar dois anos com tratamento (o que estabelece o protocolo médico)” preferi encarar a mudança de estilo de vida que incluiu novos hábitos de alimentação e exercícios físicos. Quando começou, caminhava. Agora, são duas horas de academia de segunda a sexta-feira (aeróbica e musculação). Maria começou a engordar há 20 anos, quando ingressou no Pólo Petroquímico de Camaçari, onde era secretária. Sua demissão ela atribui à obesidade. “Minha qualidade de vida melhorou muito com a perda de peso, mas sei que não posso me descuidar”. Muito feliz com o desfile, usou um macaquinho e turbante, adereço feito numa das oficinas hoje.

Além de turbantes, os pacientes também tiveram a beleza ressaltada na oficina de maquiagem. E muitas atividades de relaxamento e concentração: Reiki, meditação, reflexologia podal,Tai Chi Chuan e Corpo e Movimento.Terminadas as oficinas, os pacientes retornara ao auditório, onde lancharam e assistiram ao desfile.

A coordenadora do Núcleo de Obesidade do Cedeba, a endocrinologista Teresa Arruti, também ressaltou a importância da equipe multidisciplinar, destacando que o trabalho consiste em cuidar da obesidade com respeito e responsabilidade.

A.M.V. Mtb 694/Ba
Cedeba/diaobesidade

Notícias relacionadas