Notícias /

Dia do Médico foi comemorado na ABM

21/10/2016 11:20

O secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, participou da cerimônia comemorativa ao “Dia do Médico”, promovida pela Associação Baiana de Medicina (ABM), que ocorreu na noite desta quinta-feira ( 20). Na oportunidade, o titular da pasta parabenizou os colegas e falou do desafio de estar à frente da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), mas ressaltou que, mesmo com o subfinanciamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e a redução do repasse de verba por parte do Ministério da Saúde (MS), o governo do Estado tem investido em importantes obras para desafogar os “gargalos” existentes e oferecer mais serviços de saúde para a população.

Ele pontuou a inauguração do HGE2; o Hospital da Mulher, que será inaugurado no final do ano; os hospitais da Chapada e da Costa do Cacau, com conclusão das obras prevista para o primeiro semestre de 2017, ocasião em que serão inauguradas as policlínicas de Teixeira de Freitas, Jequié, Guanambi e Irecê.

Vilas-Boas destacou que “essas obras irão fazer a diferença em todo o interior do estado, pois vão resolver o hiato que existe entre a assistência e a alta complexidade”. Ele acrescentou que essas unidades de saúde vão realizar desde exames laboratoriais, até ressonância magnética, passando por exames de raio-x, ultrassonografia, endoscopia, além de realizar pequenos procedimentos cirúrgicos.

Ele também falou sobre o projeto do Mutirão de Cirurgias e explicou que, embora esta seja uma responsabilidade dos municípios, o governo do estado percebeu que há um “gargalo” que precisa ser resolvido, por isso criou o projeto, cuja meta é realizar 20 mil cirurgias, com estruturas montadas em diversos municípios, além de providenciar o credenciamento de clínicas e hospitais na capital e no interior, através de incentivos como pagar 50% além da tabela SUS pelos serviços.

Ele concluiu ressaltando a importância e abrangência do SUS, que está ameaçado com a PEC 241 e enfatizou que cabe aos governantes, profissionais da área e sociedade civil organizada lutarem para que o sistema não retroceda 30 anos, “quando só tinha acesso à saúde quem trabalhava de carteira assinada, sendo os demais atendidos como indigentes”.

Ascom – S.C.
/geral/dia do médico

Notícias relacionadas