Notícias /

Sesab realiza curso de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes da Infância (AIDPI) Neonatal voltado para a Saúde dos Povos Indígenas

16/11/2016 18:08

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) promove no período de 21 a 23, no Hotel Sol Bahia (Patamares), o curso de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI) Neonatal, estratégia desenvolvida pela OMS e UNICEF, adotada pelo Ministério da Saúde do Brasil desde 1995, com o objetivo reduzir a mortalidade e morbidade associada às doenças mais comuns na infância, além de contribuir para o crescimento e desenvolvimento saudáveis das crianças de zero a dois meses de idade.

O curso é destinado a 60 profissionais, dentre enfermeiros e médicos das Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena – EMSI, que atendem aos povos indígenas em todas as aldeias baianas.

De acordo com o Relatório Mundial da ONU/2010, sobre a situação de saúde dos povos indígenas, esses tem indicadores de saúde piores que os da população geral. Segundo dados do Distrito Sanitário EspeciaI Indígena – Bahia, no ano de 2015, dos 12 óbitos ocorridos nas crianças menores de um ano, 11 ocorreram nos primeiros seis dias de vida, ou seja, no período neonatal precoce.

Sobre as taxas de mortalidade infantil nos nove Polos Base, no ano de 2015, foram respectivamente: 76,92 em Ibotirama, 43,01 em Ilhéus, 18,52 em Itamaraju, 62,50 em Juazeiro, 18,87 em Pau Brasil, 13,16 em Paulo Afonso, 28,17 em Ribeira do Pombal. Nos Polos Base de Porto Seguro e Euclides da Cunha, não houve registro de óbito, ficando a média de Mortalidade infantil dos indígenas aldeados em 20,91, quando a meta do milênio para o mesmo ano foi de 19,0/1000 nascidos vivos.

Na Bahia, os Povos Indígenas estão distribuídos em 31 municípios e a Atenção Primária à saúde nas aldeias se dá através do Subsistema de Saúde Indígena, cuja gestão está vinculada à Secretaria Especial de Saúde Indígena/ Ministério da Saúde, por meio dos Distritos Sanitários Especiais Indígenas, ficando o Estado e Municípios com papel complementar no custeio e realização de ações da atenção primária a esses povos, conforme a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas (Portaria/ MS nº 254, de 31 de janeiro de 2002).

Fonte: DGC
/saúde indígena/curso

Notícias relacionadas