Notícias /

Artes ajudam na recuperação de pacientes do Hospital da Mulher

15/05/2017 13:28

“Era por volta das 23 horas quando uma paciente entrou no meu quarto. Ela começou a chorar. Estava desesperada. No decorrer da conversa, eu percebi que ela estava muito estressada e precisava relaxar. Peguei um livro de pintar que eu tinha ganhado da psicóloga e dei para ela. Disse para ela pintar e que ela precisa recuperar a saúde. No dia seguinte, antes de fazer qualquer coisa, vi que ela já estava pintando e bem mais calma. Pensei comigo mesmo ‘olha como dá retorno'”. Esse é o relato de Clíssia Morgana Ribeiro Veloso, paciente do Hospital da Mulher Maria Luzia Costa dos Santos e uma das participantes do projeto de artes realizado pelo Núcleo de Psicologia da Unidade.

A partir desta história, que aconteceu há cerca de um mês, foi iniciado o projeto “Borboletas: Transformação”. A iniciativa leva para as pacientes terapia através da arte. A equipe de psicologia disponibiliza desenhos, telas de pintura, tintas, lápis de cor e outros materiais para que as mulheres possam utilizar no período que estão internadas no hospital. O resultado desses momentos de pintura, recortes e desenhos será mostrado a partir da próxima terça-feira (16), em uma exposição que será montada em um espaço na própria unidade.

A coordenadora do serviço de psicologia do HM, Márcia Aquino, conta que o projeto serve de inspiração para que as pacientes permitam liberar toda sua subjetividade através da arte para resolver conflitos, problemas de comunicação, dificuldades de expressão e muitos outros aspectos psicológicos. “É um movimento junto com os pacientes. Hoje toda a equipe está envolvida. Percebemos uma melhora significativa na recuperação das pacientes”, conta a psicóloga. Márcia Aquino ainda destaca que a iniciativa ajuda na melhora da autoestima e no emocional. “Elas acabam tirando o foco da doença. A atenção é voltada para a recuperação e para o bem estar”, afirma.

Transformação

Clíssia Morgana Ribeiro Veloso conta que via que precisava se transformar para que a sua recuperação seja mais rápida. “Eu penso na borboleta, que sai de um casulo transformada. Por isso dei a sugestão do nome do projeto. Quando eu estou pintando me abasteço de saúde através das cores. Quando você vê as cores no hospital dá outro ânimo”, fala a professora de dança, que está em tratamento no hospital. O nome do projeto foi sugerido por Clíssia, que considera que a borboleta é o símbolo da transformação, da felicidade, beleza, efemeridade da natureza e da renovação.

L.R. DRT 2.600/BA
HM/Artes

Notícias relacionadas