Notícias /

1ª Conferência Macrorregional de Vigilância em Saúde do Sudoeste da Bahia

27/09/2017 12:11

Na tarde de ontem (26) e durante o dia de hoje (27), o Auditório do Complexo de Saúde (CEMAE) de Vitória da Conquista está sendo realizada a 1ª Conferência Macrorregional de Vigilância em Saúde.

O evento trabalha com o tema: “Fortalecimento do SUS como Direito à Proteção e Promoção da Saúde do Povo Brasileiro”, a Conferência mostra aos cidadãos a importância da Vigilância e tudo o que a Saúde Pública tem a oferecer à população, além de propor diretrizes para a formulação da Política Nacional de Vigilância em Saúde e o fortalecimento de ações de Promoção e Proteção à Saúde.

Na tarde de hoje cerca de 400 pessoas prestigiaram o evento, desde o usuário, que representa a comunidade e traz as demandas dos municípios de onde vieram, até os trabalhadores da área de saúde e seus gestores. Além de convidados de diversas instituições.

A Conferência de Vigilância em Saúde é estruturada em quatro etapas: a municipal, que aconteceu em 74 Municípios da Região Sudoeste, a Macrorregional, que está acontecendo entre os dias 26 e 27, de onde sairão representantes que irão compor a etapa seguinte, a Conferência Estadual. A quarta e última etapa será a Nacional, onde serão levadas as propostas de discussão da Vigilância de Saúde, salientando os quatro eixos que foram serão abordados dentro da conferência.

Caroline Rebouças, diretora do Núcleo Regional, uma das organizadoras da conferência, apontou a importância para que as pessoas entendam que a Vigilância de Saúde vai muito além da vigilância sanitária e epidemiológica, que são as mais conhecidas, ela engloba política e planejamento, e situação de saúde das populações que permeia a atenção à saúde da criança, da mulher, do homem, do idoso, além de ambiente e saúde e processo de trabalho. A partir daí, a vigilância se distribui entre: epidemiológica, ambiental, sanitária e saúde do trabalhador. Ela é uma garantia de qualidade do serviço que está sendo prestado, salientando o direito de todos os cidadãos. É um sistema utilizado por todos, direta ou indiretamente, além de ser completamente assistido pelo SUS.

“Se a gente conseguir fazer essa junção e fortalecer tanto a atenção básica quanto a vigilância será possível reduzir os riscos de incidências que vem lotando os hospitais da região. Promovendo e trabalhando a prevenção de saúde do nosso território”, concluiu Rebouças.

Ascom HGVC
/hgvc/conferência

Notícias relacionadas