Notícias /

ESPBA volta a debater sobre diversidades sexuais e de gênero e atendimento humanizado

18/04/2018 11:57

Sessão temática promovida pela Escola de Saúde Pública da Bahia Professor Jorge Novis, na manhã de ontem, foi iniciada com palestra do professor Ailton Santos, especialista em Gênero e Sexualidade e coordenador do ambulatório para Travestis e Transexuais no Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (Cedap), da Secretaria da Saúde do Estado.

O professor abordou a transexualidade, realizando uma profunda análise da sociedade contemporânea, que ainda repetindo o imaginário social de outros momentos históricos, estabelece pelo corpo humano e suas características, identificados pela anatomia, se a pessoa é macho, fêmea ou intersexual, ferindo a perspectiva de diversidade, ratificando o campo da saúde como cisheteronormativo.

Em seguida, Simmy Lanat, coordenadora executiva do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos LGBT e João Hugo, fotógrafo, estudante de educação física e homem trans, trouxeram contribuições em torno de suas vivências, chamando a atenção para a necessidade de mudança cultural e dos trabalhadores do SUS para o respeito e atendimento humanizado às pessoas Trans na perspectiva do direito, bem como possibilitar estágios e residências para este público.

Também palestrante, Eva Rodrigues, subcoordenadora de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado da Bahia/DPBA, falou sobre os direitos das pessoas trans, enfatizando a garantia destes e o respeito nos atendimentos realizados, salvaguardando o princípio de que a saúde é um direito de todos e dever do Estado, cabendo aos seus sujeitos executores, dar a ele um cumprimento.

A sessão temática contou ainda com a participação de Márcia Regina Teixeira, promotora de justiça e coordenadora do Centro de Apoio dos Direitos Humanos do Ministério Público da Bahia (MP), que trouxe o MP como instância que vem exigindo a criação de espaços que levantem dados para a proposição de políticas públicas destinadas a população LGBT.

Após as apresentações, a plenária fez perguntas à mesa, composta pelos palestrantes convidados, encerrando o evento com um debate, com foco na troca de saberes e construção coletiva.

Fonte: ESPBA
ESPBA/humanizado

Notícias relacionadas