Notícias /

Trabalho do Núcleo de Obesidade do Cedeba tem efeito multiplicador na família

02/08/2018 14:45

O trabalho do Núcleo de Obesidade do Centro do Diabetes e Endocrinologia da Bahia (CEDEBA) defende a alimentação saudável para toda a família. Nada de fazer comida de dieta para quem precisa perder peso e continuar oferecendo aos demais alimentos ricos em gordura ou muito processados. Essa proposta vem dando frutos como destacou a nutricionista Lorena Fracalossi, no Ciclo de Palestras sobre Obesidade no auditório do Centro de Atenção à Saúde CAS.

A nutricionista relatou o caso de uma paciente que reclamou porque o marido que não está fazendo tratamento para obesidade, seguindo o plano alimentar que está cumprindo, eliminou oito quilos, dois a mais que ela. Além do plano alimentar e das orientações durante as consultas, os pacientes aprendem o caminho da alimentação saudável com as palestras que incluem vídeos, tornando o aprendizado mais lúdico. Hoje, por exemplo, foi exibido vídeo muito interessante mostrando o caminho dos alimentos no aparelho digestivo e transformações que sofrem.

Repetição

E o desejo de aprender o caminho da alimentação saudável é tão forte que muitos pacientes repetem o ciclo de palestras – são quatro por ano – duas, três e até mais vezes. Os pacientes aprendem que os novos hábitos “é uma mudança de conceitos. E mudar conceitos é muito difícil”, como pontua a Lorenna Fracalopssi. A alimentação saudável – destaca – é fundamental para um corpo sadio e um dos pilares para a vida saudável. Em seguida pergunta: “quem acorda pela manhã e come um prato de feijão vai se sentir bem para trabalhar”? E em coro todos responderam que não.

A nutricionista mostrou que alimentação saudável significa gastar menos e comer melhor, confirmação que é trazida pelos pacientes durante as consultas. Mas para buscar a alimentação saudável, é preciso não repetir o que a família passou – frituras, feijoadas ricas em gorduras – e fugir dos ensinamentos da mídia , com a propaganda de alimentos industrializados.

Depois da seleção e do preparo dos alimentos, outro cuidado importante, segundo Lorenna Fracalossi, é como se alimentar. Comer devagar, mastigando bem cada bocado – de 20 a 30 vezes – é muito importante para a redução do peso. Comer prestando atenção no alimento, nas cores, na textura. “Comer deve ser entendido como um ato de cuidar da gente”, observou. A digestão começa na boca. Por isso, quando os alimentos não são mastigados corretamente descem arranhando o esôfago e vão exigir mais trabalho do estômago, explicou.

Criatividade

Na palestra, a nutricionista mostrou os grupos de alimentos e a importância de cada um, observando que dietas da moda que eliminam radicalmente grupos de alimentos estão contra-indicadas. Ela mostrou a importância dos carboidratos, fonte de energia para o organismo. Cortar radicalmente pode provocar dor de cabeça e até hipoglicemia. O consumo de carboidratos complexos onde se incluem os cereais deve ser distribuído nas refeições. Muito importante é o consumo de frutas, vegetais e hortaliças, importantes fontes de fibras, vitaminas e minerais. O segredo é preferir frutas da estação porque além de mais saborosas, custam menos.

As frutas e hortaliças devem estar presentes diariamente no cardápio e pelo seu colorido tornam o prato mais atraente, além de mais saudável, como mostrou a nutricionista com imagens de diferentes saladas. É preciso evitar a rotina do tomate, cebola e alface. E deu exemplos de combinações: acelga com manga; agrião, alface e tangerina; alface, manga, repolho e abacaxi.

O grupo das leguminosas, carnes, ovos, leite e derivados fornecem proteínas (nossos tijolos) que constroem nosso corpo. O grupo dos açúcares (carboidratos simples) exige cuidado. Por exemplo, tomar cinco cafezinhos/dia, colocando uma colher de sopa de açúcar de cada vez, não deve ser o consumo para quem precisa reduzir peso.

Também merece cuidado o consumo dos alimentos do grupo de óleos e gorduras. É preciso evitar a margarina ( é melhor a manteiga em pequenas quantidades) e também os alimentos ricos em gorduras hidrogenadas, como os biscoitos e salgadinhos.

Variar os alimentos, de acordo com a nutricionista, é muito importante, como ensinamos no plano alimentar, onde consta uma lista de substituições, para atender o gosto de cada pessoa. Por isso, o plano é individual e leva em conta além do peso e altura, o ritmo de vida, e a rotina do paciente, disse.

Ascom do Cedeba
Cedeba/ciclo

Notícias relacionadas