Notícias /

No dia Mundial do Diabetes, Governo do Estado anuncia implantação de 200 Salas para Tratamento do Pé Diabético

14/11/2018 16:36

Durante reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), realizada hoje (14) na sede da União dos Municípios da Bahia, a Secretaria da Saúde do Estado, anunciou a elaboração da Política de Atendimento a Pacientes com Pé Diabético, que consiste na implantação de 200 Salas para Tratamento do Pé Diabético em toda a Bahia, a maior parte destas distribuídas em municípios com menos de 100 mil habitantes. Estima-se que, no estado, de 40 a 60% de todas as amputações não-traumáticas de membros inferiores são realizadas entre pacientes portadores de Diabetes Mellitus. Destas amputações, 85% são precedidas de feridas com úlceras.

“Após a construção das Policlínicas Regionais, que já possuem salas de pé diabético atendendo a pacientes do interior da Bahia, descentralizar o tratamento dos pacientes diabéticos que possuem complicações causadas por feridas vai também contribuir para diminuir a sobrecarga de pacientes nas urgências hospitalares das unidades estaduais”, afirma o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Ele acrescenta que, quando tratadas prontamente, é possível impedir que as feridas se transformem em úlceras e que a amputação seja a maneira de evitar que o paciente desenvolva complicações, podendo chegar até a morte.

Cada sala conta com equipamentos como doppler portátil, carro de curativos, maca fixa, lavatório, glicosímetro, esfignomanômetro, além de enfermeiro e técnico de enfermagem para operar os materiais. Com a implantação das Salas, busca-se e a redução significativa do número de amputações de Membros Inferiores em pacientes diabéticos no segundo ano de implantação. Para estruturar cada Sala, estima-se um valor de R$ 8 mil, fora a contratação de mão de obra, que ficará como responsabilidade das prefeituras municipais.

Dados da doença

Em todo o mundo, 425 milhões de pessoas vivem com diabetes e 4,5 milhões morrem anualmente por causa da doença, segundo dados da International Diabetes Federation (IDF), responsável pelo Novembro Diabetes Azul, mobilização mundial que alerta para o crescimento da doença – considerada pandemia – e a necessidade de prevenção e diagnóstico precoce. Tendo como tema este ano “Família DMe Diabetes”, a campanha destaca a importância da família no manejo da doença.

No Brasil, onde os diabéticos são mais de 13 milhões – ocupa o quarto lugar entre os 10 países com maior população de diabéticos. No país, as complicações do diabetes custaram ao Ministério da Saúde, em 2016, R$ 92 milhões. Isso reflete o diagnóstico tardio, uma vez que mais de 40% das pessoas só são identificadas (no caso de diabetes mellitus tipo 2 -DM2) quando já apresentam complicações.

Prevenir as complicações do diabetes, onde se insere a retinopatia diabética, é muito importante. No mundo inteiro, a perda de visão por causa do diabetes tem aumentado assustadoramente. Entre 1990 e 2010, a quantidade de pessoas com perda de visão parcial ou total devido à doença subiu de 27% para 64%. Em 2010, uma em cada 52 pessoas teve perda de visão e uma em cada 39 pessoas ficou cega por causa da retinopatia diabética – desdobramento da doença que danifica a retina.

 Ascom Sesab
/Diabetes/Dia Mundial2