Notícias /

Aplicativo facilita o contato dos pacientes com o Cedap

27/11/2018 11:22

Em seis meses de implantado, o serviço de atendimento através do whatsapp, do Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (Cedap), já atendeu cerca de três mil pacientes, agendou 3.345 consultas e foram dadas 4.360 informações gerais.

Esse balanço positivo pode ser percebido, sobretudo, quando o assunto é reagendamento (468), pontua Leila Frois, gerente operacional do Cedap.

Ela explica que geralmente as pessoas, quando não podiam comparecer à consulta, também não ligavam e, a partir dessa interação com o paciente através do aplicativo, o reaproveitamento das vagas está sendo muito positivo para a instituição.

Outro ponto destacado pela gerente é referente à consulta mesmo, pois os pacientes não precisam se deslocar de suas residências apenas para marcar uma consulta e voltar em outra data para ser atendido.

Mas ela adianta que a ferramente só está disponível para os pacientes que já são cadastrados na unidade. Aqueles de primeira consulta deverão comparecer à unidade de segunda à sexta-feira, das 7 às 17 horas, para passar pela triagem e agendar o primeiro atendimento.

Para a diretora do Cedap, Miralba Freire, o trabalho do Centro é sempre no sentido de facilitar o acesso e adesão das pessoas ao tratamento e não abandonar por falta de acompanhamento. O aplicativo também vai reduzir o fluxo de agendamento presencial, que representava 80% das marcações para consultas, retirada de medicamentos na farmácia, fisioterapia, odontologia, dentre outros.

Como realizar o agendamento pelo Whats app: O recurso é voltado exclusivamente para os pacientes que já são cadastrados no Cedap que, através do número (71)99673-3006, vão informar: nome do paciente, data de nascimento, número do cartão SUS, nome da mãe, número do SAH e telefone, além do atendimento desejado.

A coordenadora Leila Fiais lembra que sem os dados acima relacionados não é possível realizar o agendamento e cada contato pelo whats app poderá marcar para um paciente, além de não serem aceitos áudios.

 Fonte: Cedap

Notícias relacionadas