Notícias /

O Hospital da Mulher inaugurou a ludoteca do Serviço de Atenção às Mulheres Expostas à Violência Sexual (AME)

13/12/2018 10:14

O hospital da Mulher inaugurou nesta quarta-feira (12), a ludoteca do Serviço de Atenção às Mulheres Expostas à Violência Sexual (AME). A ludoteca é composta por conjuntos de jogos, bonecas e outros recursos pedagógicos e lúdicos ,os quais podem auxiliar no atendimento de adolescentes expostas à violência sexual. Diferentemente da brinquedoteca, espaço destinado ao lazer das crianças ou adolescentes, a ludoteca é destinada ao atendimento psicossocial dessas pacientes.

“A ludoteca irá nos auxiliar no diagnóstico e prognóstico das enfermidades que as pacientes apresentam após uma violência sexual, principalmente as pacientes que têm um perfil mais infantilizado e não conseguem exteriorizar o que passaram e o que estão sentindo. Com as bonecas e brinquedos, é possível indicar o que aconteceu”, explica a médica ginecologista e coordenadora do Serviço AME, Jamile Martins.

Serviço AME

O serviço de Atendimento às Mulheres Expostas à Violência Sexual do Hospital da Mulher, o AME, localizado no Largo de Roma, em Salvador, presta atendimento 24 horas por dia, durante os sete dias na semana, às mulheres e adolescentes que foram expostas ao abuso sexual.

Composto por uma equipe multiprofissional com médicas, enfermeiras, farmacêuticas, assistentes sociais e psicólogas, o serviço AME, para acolher a estas mulheres, atua em parceria com o Ministério Público, o Instituto Médico Legal (IML) e a Secretaria de Políticas para as Mulheres do Estado (SPM-BA), além de conselhos de saúde regionais. Em 2017, 160 mulheres foram atendidas pelo serviço. De janeiro deste ano até o mês vigente, mais de 300 novos casos deram entrada na unidade.

Como funciona

As pacientes podem chegar ao AME por meio da chamada ‘porta aberta’ – que abrange toda a demanda espontânea do serviço -, através de órgão judicial e policial ou ainda referenciadas pela Central de Urgências do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Após passar por atendimento com médica, enfermeira, assistente social e psicóloga, este com duração em média de seis meses, a paciente é direcionada ao atendimento com uma farmacêutica. Esta profissional fará a dispensação da profilaxia pós-exposição, um tratamento com terapia antirretroviral para evitar a sobrevivência e multiplicação do vírus HIV, além de administrar outros medicamentos para prevenir doenças sexualmente transmissíveis como a sífilis e gonorreia. A pílula do dia seguinte também é indicada caso ainda não tenham decorrido 72 horas do abuso sexual.

 Ascom HM
/Hospital da Mulher /ludoteca

Notícias relacionadas