Notícias /

Hospital Regional Costa do Cacau é o pioneiro no implante de stent farmacológico em pacientes do SUS

24/01/2020 15:12

Referenciado pelo governador Rui Costa como unidade hospitalar fruto de uma política pública que gosta de cuidar de gente, o Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, amplia cada vez mais amplia a oferta de procedimentos para a população baiana, através da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, com o empenho do secretário Fábio Vilas-Boas.

No leque desses serviços de saúde, o HRCC é o primeiro hospital da Bahia a implantar, conforme indicação médica norteada pelas diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), o stent farmacológico em pacientes usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio de angioplastia. O dispositivo possui um medicamento que reduz de forma significativa a oclusão, ao longo do tempo, da artéria do coração.

O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas destacou a importância do HRCC na atuação da saúde pública do Estado. “O Hospital Regional Costa do Cacau é pioneiro em procedimentos cirúrgicos de alta complexidade, como implantação de marcapasso CDIR e revascularização do miocárdio (ponte de safena). Agora, a meta é intensificar a realização de cirurgias cardíacas pelo interior da Bahia”.

De acordo com o médico Almir Gonçalves, diretor assistencial do HRCC, essa intervenção era somente realizada na rede particular e por convênios privados. “A implantação desse procedimento na saúde pública baiana, aqui no hospital, tem modificado a vida de muita gente. Uma decisão acertada do governador Rui Costa e do secretário Fábio Vilas-Boas, em conseguir empreender, iniciando pelo Hospital Regional Costa do Cacau, essa oferta para pacientes do SUS, os quais não têm plano de saúde”, disse.

O diretor assistencial assegura a qualidade e eficiência da implantação do stent farmacológico no HRCC. “Hoje oferecemos serviços equiparados a grandes centros, pela nossa estrutura, equipe e materiais. Imagine muitos pacientes que, às vezes, eram tratados com esses stents não farmacológicos, principalmente diabéticos, quando ele iria fazer sua revisão, com seis meses a um ano, esse stent tinha fechado. Hoje, a gente utiliza o stent farmacológico, que é diferenciado, tem maior custo, porém eleva a qualidade de vida do paciente, isso é um grande avanço para rede pública e para a população usuária do SUS”, enfatizou.

Ascom do Costa do Cacau

Notícias relacionadas