Notícias /

Hemoba, uma instituição feminina

10/03/2020 10:02

Elas estão por toda parte, ocupando todos os setores da Fundação Hemoba, incluindo coordenações e diretorias. Com mais de 70% da equipe de trabalho composta por mulheres, a instituição predominantemente feminina. Nas redes sociais, o público feminino também é maioria, representando 75% das pessoas que acompanham a Hemoba no Facebook e Instagram. Embora com índices positivos, as mulheres ainda são minoria quando o assunto é doação de sangue, representando 46% dos candidatos. Porém, a realidade vem mudando ao decorrer dos últimos 10 anos. De 2010 a 2020, a instituição registra um aumento de 10% no número de doadoras.

Para Iara Matos, coordenadora de captação e coleta de doadores, historicamente os homens doam mais sangue por uma questão cultural. “Na década de 70 e 80 a diferença era ainda mais acentuada, por conta da obrigatoriedade dos soldados serem doadores e isto criou um forte movimento de doações com o público masculino. Outro fator é a prevalência de alguns mitos entre as mulheres, como por exemplo, acharem que não podem doar sangue em período menstrual. A mulher na verdade consegue doar, ela pode no momento não conseguir pela taxa da hemoglobina estar baixa, porém o fato isolado de estar menstruada não é um impedimento”.

De acordo com Rivânia Andrade, diretora de hemoterapia da Fundação, campanhas estão sendo realizadas nos últimos anos para aumentar a participação do público feminino. “No mês de março, estamos apresentando à população a campanha Salvar vidas é Coisa de Mulher, com o objetivo de esclarecer os mitos da doação que envolve o universo feminino. Com mais informações, a tendência é aumentar o índice e ficar equiparado com o público masculino”, avalia a diretora.

Além de estar bem de saúde e pesar mais que 50kg, o público feminino possui algumas orientações específicas para doação de sangue. As mulheres podem realizar as doações até três vezes ao ano, com um intervalo mínimo de 90 dias. Não pode doar no período de gravidez, podendo retornar, se não estiver amamentando, após 90 dias para parto normal e 180 dias para cesariano. No período de amamentação, as mulheres ficam inaptas temporariamente durante os 12 primeiros meses.

Ascom Hemoba

Notícias relacionadas