Notícias /

Teleorientação em obesidade no Cedeba é multidisciplinar

09/04/2020 18:10

Oitenta por cento dos pacientes com obesidade atendidos no Centro de Diabetes e Endocrinologia da Bahia(Cedeba) têm diabetes e hipertensão.Os de obesidade grau 3, conhecida como obesidade mórbida, apresentam também apneia do sono. Ao apresentar esses dados, a coordenadora do Núcleo de Obesidade do Cedeba, Teresa Arruti, disse que são pacientes do grupo de risco para o Coronavírus, por causa das comorbidades.

O tratamento da obesidade, o segundo em demanda no Cedeba, é complexo, marcado por idas e vindas, exigindo trabalho integrado da equipe multidisciplinar. Para continuar acolhendo esse grupo de usuários a teleorientação está sendo o caminho, a partir da suspensão do atendimento nos ambulatórios, diante da necessidade de deter o avanço do Coronavírus.

A teleorientação em obesidade no Cedeba conta com endocrinologista, psiquiatra, nutricionista, psicólogo e fisioterapeuta.A diretora do Cedeba, Reine Chaves, destaca que “o reconhecimento dos pacientes, com manifestações de agradecimento, sinaliza que encontramos uma saída, neste período de pandemia, para continuar acolhendo, orientando e tirando dúvidas”. Um trabalho – pontuou – proativo, em que os profissionais do Núcleo de Obesidade, de olho na agenda, ligam para o paciente na data da consulta.

Mas os pacientes contam, também, com vários canais de comunicação. Um email, de fácil memorização: cedeba.fiqueemcasa@gmail.com, pelos telefones (71)3103-6011/3103-6012 ou pelo WhatsApp 71 98608-4142O.

Os profissionais do Núcleo de Obesidade trabalham em sintonia. A equipe está produzindo vídeos educativos, verdadeiras aulas. O primeiro, da fisioterapeuta Lorena Arruda,mostra a importância de manter o corpo em movimento, mesmo dentro de casa. Com exercícios simples e práticos.

A teleorientação em obesidade é feita tanto para pacientes que fazem acompanhamento pós bariátrica como para os que fazem tratamento clínico.

A preocupação é muito grande com os pacientes pós bariátrica, destaca a endocrinologista Teresa Arruti. “Fazemos contatos, recebemos exames por e-mail, ajustamos a medicação.” Com isso – pontuou – evitamos que ele vá às unidades de saúde, protegendo – se contra a COVID-19.

Mas a teleorientação vai além da obesidade, como explica a líder da Nutrição do Cedeba, Luciane Barros: “conversamos também sobre as medidas de prevenção para contaminação da COVID-19, com utilização de informativos institucionais do Ministério da Saúde, Governo do Estado da Bahia e da Associação Brasileira de Nutrição “.

E essa orientação é importante porque, segundo Luciane Barros, os pacientes expressam uma condição de ansiedade mais evidente, em razão da pandemia do COVID-19. Têm percepção de que esta alteração no estado emocional tem impacto nas práticas alimentares.

Satisfação

São muitas as mensagens de satisfação com a teleorientação. A paciente Aline dos Reis,em tratamento no Cedeba, encaminhou ontem a seguinte mensagem: “Hoje 08 de abril de 2020, recebi mensagem da nutricionista, via WhatsApp. A mesma agendou um horário de atendimento online comigo. Fui atendida com muito carinho e profissionalismo, trocamos informações por vários minutos. Fiquei muito satisfeita com o atendimento humanizado e qualificado, demonstrando que nosso sistema de saúde tem sim, qualificação e capacidade de atender seus pacientes de uma maneira diferenciada e visualizando as suas necessidades individuais. Agradeço desde já aos profissionais de saúde que estão trabalhando para proporcionar um atendimento de qualidade para todos nós usuários do Sistema Único de Saúde, deixo aqui minha gratidão”.

A paciente Patrícia Lima, 39 anos, também foi atendida pela nutricionista Luciane Barros e aprovou a teleorientação: “Achei ótimo, bem informativo. A nutricionista se expressou bem passando as informações adequadas. Me ajudou bastante nos esclarecimentos.. Ficou bem mais nítido pra mim a informação que ela trouxe”.

Jeane Alves, 29 anos, também aprovou a teleorientação nutricional do Núcleo de Obesidade: “Eu gostei muito do atendimento. Foi importante saber que continuo sendo cuidada. O Cedeba é muito importante pra mim, onde toda equipe me acolheu de braços abertos”.

Entendendo a mudança

O Cedeba suspendeu o atendimento nos ambulatórios para proteger os pacientes – os diabéticos que fazem parte do grupo de risco para o Coronavírus representam 50% dos usuários. Apenas a Farmácia mantém o atendimento presencial.

O plano elaborado pelo Cedeba para teleorientação aos pacientes foi aprovado pelo Centro de Operações de Emergências (COE), da Sesab. Contempla portadores de diabetes e complicações, obesidade, além de patologias da tireoide e outras doenças endócrinas, cuja falta de atendimento poderia resultar na necessidade de busca às emergências indo na contra mão do planejamento sanitário neste momento, explica Reine Chaves.

Ascom do Cedeba

Notícias relacionadas