Notícias /

Revista Baiana de Saúde Pública reúne pesquisas científicas voltadas ao combate da Covid-19 no estado

27/10/2021 10:58

A nova edição da Revista Baiana de Saúde Pública foi apresentada nesta quarta-feira (27), no auditório da Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab). A publicação temática reúne artigos de pesquisadores e servidores do Estado com trabalhos voltados às ações realizadas para o enfrentamento da pandemia da Covid-19 na Bahia.

Para a secretária de Saúde da Bahia, Tereza Paim, a Revista Baiana de Saúde Pública completa 47 anos se consagrando como um importante veículo de divulgação da produção técnico-científica na Bahia e no Nordeste para o setor da saúde.
“Gostaria de parabenizar todos os envolvidos na produção da revista. Hoje eu destaco, principalmente, as pessoas que perdemos nessa pandemia. Essa publicação também simboliza tudo isso. Nada tira o que está escrito, o que a gente construiu. A revista serve para que a gente possa valorizar a vida dos outros, a saúde e a ciência”, destaca.

Editora Geral da publicação, Marcele Paim, ressalta a importância do periódico na área de saúde coletiva, destacando a circulação em todos os estados do Brasil, além de países da América Latina e Europa. “É uma trajetória muito bonita. A revista tem por missão se constituir como espaço de divulgação de conhecimento em saúde pública. As equipes trabalharam arduamente e, com isso, hoje a gente lança essa edição especial. É preciso ressaltar que eram múltiplos desafios e essas pessoas se envolveram em torno da defesa da ciência, da defesa da vida”, comemora.

Uma das responsáveis pelo artigo “Solução Computacional de Apoio à Vigilância Epidemiológica no Enfrentamento à pandemia”, a Diretora da Vigilância Epidemiológica da Sesab, Márcia São Pedro, destaca que, com a pandemia, a divulgação de dados precisou ser ainda mais precisa e ágil, o que motivou a equipe a pensar em alternativas para otimização do processo. “Iniciamos a pandemia utilizando planilhas paralelas para a busca rápida da informação, já que a plataforma inicial do Ministério da Saúde ficava instável. Com o aumento das notificações, não era possível realizar as análises epidemiológicas e fornecer as informações em tempo real para a tomada de decisão do gestor estadual e manter a população informada. Então, foi necessário a integração dos sistemas oficiais, gerando uma base de dados estadual única”, relembra.

Ainda segundo Márcia, diante da demanda, a equipe desenvolveu um sistema que pudesse realizar esse compilado das bases de dados. “A Bahia foi o segundo estado na integração desses dados e, por isso, elaboramos o artigo abordando a construção da situação computacional. Através dessa metodologia, fomos convidados pelo Ministério da Saúde para apresentar o desenvolvimento da situação computacional da Bahia para os outros estados”, comemora.

Diretora geral do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen), Arabela Leal é coautora de dois artigos da edição que trazem um pouco da vivência do Lacen e os desafios enfrentados nesse período. “Foi um processo de resgate na memória de tudo que vivenciamos e enfrentamos para superar os desafios impostos. Com as adequações, conseguimos garantir a qualidade tanto no âmbito administrativo, quanto técnico das amostras recebidas e processadas no Lacen-BA”, recorda.

Para a superintendente de Vigilância e Proteção da Saúde, Rívia Barros, que também assina um dos artigos que compõem a última edição da Revista Baiana de Saúde Pública, ter um espaço destinado às publicações das pesquisas científicas produzidas na Bahia é de extrema importância. “No último ano, mais que nunca, o mundo se deu conta da importância da ciência e da tecnologia para a nossa vida. A revista é um espaço conquistado pelos servidores e pesquisadores da saúde do estado para compartilhar todo o conhecimento produzido, ali fica registrado todo o nosso avanço na área de ciência. Ter esse espaço garantido é um avanço e um grande privilégio”, ressalta.

Desde 2012, a Revista Baiana de Saúde Pública também pode ser acessada de forma online, através da página da Sesab na internet e por meio do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (SEER), do Instituto Brasileiro de Informação e Ciência e Tecnologia (IBCT).

Notícias relacionadas