Toxicologia Veterinária

O Setor de Toxicologia Veterinária do CIAVE – Bahia foi criado em 1989 e é referência em atendimento especializado em intoxicações nesta área, sendo um dos 3 Centros no Brasil que presta este tipo de serviço, entre os 35 Centros de Informação e Assistência Toxicológica existentes no país. Tem como finalidade a informação, orientação diagnóstica, terapêutica e preventiva em casos de intoxicações veterinárias.

O Toxicologista Veterinário presta assessoria ao plantão médico do CIAVE, objetivando controlar, tratar, orientar e atuar presentemente, buscando o bem estar econômico e social da população, contribuindo, sobretudo para a melhoria da qualidade de vida.

A inserção do Veterinário na equipe de profissionais do CIAVE permitiu conhecer o universo dos envenenamentos relacionados com os animais domésticos no Estado da Bahia, o que possibilitou a realização de estudos epidemiológicos das intoxicações em pacientes veterinários atendidos pelo Centro e a elaboração de ações preventivas e terapêuticas com o objetivo de controlar as intoxicações em animais domésticos de pequeno, médio e grande porte, como também nos animais silvestres.

Para o ano de 2010 foram registrados no Setor de Veterinária 84 casos de envenenamentos e 5 solicitações de informação. Dentre os grupos intoxicantes, os animais peçonhentos contribuíram com 42,1% dos casos, sendo que 82,6% foram atribuídos ao gênero Bothrops, 13,1% ao Micrurus e 4,3% ao Crotalus. Os raticidas foram responsáveis por 23,4% das intoxicações, tendo como principal agente tóxico o “Chumbinho” (raticida clandestino). Os resultados obtidos demonstraram que a espécie canina foi a mais atingida (85,7%), seguida da bovina (8,3% – intoxicação pela planta Thiloa glaucocarpa), felina (4,8%) e equina (1,2%). Os envenenamentos ocorreram com maior predominância na zona urbana (84,5%), tendo como circunstância a acidental. Quanto à evolução dos casos 70% progrediram para cura, enquanto que 21,4% dos animais envenenados foram a óbito.

Atividades desenvolvidas

  • Orientação toxicológica para pacientes veterinários internados em todo o estado, através de atendimento telefônico em plantão de 24 h.
  • Acompanhamento da evolução dos pacientes veterinários intoxicados, através de telefone, fax, etc.
  • Assessoria ao plantão médico do CIAVE quando do envenenamento cujo veículo seja o alimento e produtos de uso veterinário.
  • Intervenção em situações de urgência e emergência, junto ao paciente e/ou familiares, prestando orientações e procedendo a encaminhamentos de acordo com a demanda e caráter específico da abrangência técnico-profissional.
  • Coleta de material para realização de análises toxicológicas e ou bromatológicas, para auxílio diagnóstico e terapêutico.
  • Orientação, ensino e supervisão dos estagiários de Medicina Veterinária.
  • Aulas teóricas aos estagiários do curso de Medicina Veterinária.
  • Estudos de casos.
  • Supervisão do trabalho teórico de final de estágio.
  • Supervisão e orientação de estágio curricular supervisionado para alunos de graduação.
  • Orientação de monografia de conclusão de curso de graduação.
  • Realização de estudos epidemiológicos e toxicológicos para elaboração de trabalhos científicos.
  • Reuniões mensais com discussão científica e apresentação de trabalhos científicos pelos estagiários, supervisionados pela equipe do CIAVE.
  • Orientação para pesquisa bibliográfica com disponibilização dos instrumentos.
  • Atendimento e acompanhamento na emergência do HGRS aos pacientes intoxicados por alimentos.
  • Acompanhamento da evolução dos pacientes intoxicados por alimentos, internados no HGRS e em outras unidades de saúde, através de telefone, fax, etc.