Notícias /

Nova Central Estadual de Regulação tem obras iniciadas

03/08/2018 12:45

Foram iniciadas as obras de construção da Central Integrada de Comando e Controle da Saúde do Estado da Bahia, que terá investimento superior a R$ 7,7 milhões e prazo de execução de 12 meses. Localizada no Centro Administrativo da Bahia, em Salvador, a unidade abrigará a nova sede da Central Estadual de Regulação (CER), que engloba pedidos de exames, avaliações com especialistas, internações em enfermaria ou UTI, bem como procedimentos cirúrgicos dos 417 municípios da Bahia. O equipamento incluirá também a central de inteligência da saúde, que irá monitorar e acompanhar todas as unidades, através de indicadores de desempenho da rede.

Ao assinar a ordem de serviço para o início das obras nesta sexta-feira (3), o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, destacou que o empreendimento é parte do plano de informatização da área da saúde iniciado em 2015. “Estamos investindo R$ 52 milhões em infraestrutura de rede, cabeamento e aquisição de computadores, impressoras e conectividade para os 57 hospitais, maternidades e centros de referência. A construção desse edifício com três pavimentos e mais de 2,3 mil metros quadrados ocorre simultaneamente com a implantação dos prontuários eletrônicos em todas as unidades da rede estadual”, afirma o secretário.

A diretora da Central Estadual de Regulação, Rita de Cássia, explica que uma das funções da regulação é a ordenação e qualificação dos fluxos de acesso às ações e serviços de saúde, de modo a otimizar a utilização dos recursos assistenciais disponíveis e promover a transparência, a integralidade e a equidade no acesso às ações e aos serviços, em tempo oportuno, dispondo, para tal, entre outros instrumentos, de diretrizes operacionais e protocolos. “Em síntese, a regulação de pacientes é uma ferramenta de democratização do acesso, onde uma pessoa de Barreiras, por exemplo, tem o mesmo direito a ser internado no Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador, do que um paciente que está na emergência do hospital. A decisão de internação, portanto, é sempre pautada na gravidade do caso e não pela proximidade”, esclarece a diretora.

A CER também realiza serviços de acolhimento e educação em saúde, desenvolvimento de estratégias educativas integrais, gerenciamento do transporte de pacientes e a frota necessária para tal.

O empreendimento é financiado pelo Programa de Fortalecimento do Sistema Único de Saúde na Região Metropolitana de Salvador (PROSUS) com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Salto de qualidade

Graças a um acordo assinado nesta semana entre a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, os hospitais e maternidades estaduais passarão a utilizar, a partir de agora, um sistema informatizado de gestão hospitalar, que inclui prontuário eletrônico e módulos administrativos. A implantação foi deflagrada no Hospital Geral Roberto Santos (HGRS) e a meta é utilizar todas as funções do prontuário eletrônico até o final desse ano. O software, desenvolvido e cedido sem ônus pelo hospital gaúcho, é o mesmo que vem sendo implantado nos hospitais universitários do país, geridos pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH).

De acordo com o secretário da Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, “se fossemos adquirir um software com as mesmas especificações no mercado, o Estado da Bahia teria que desembolsar mais de R$ 30 milhões e com esse acordo, conseguimos gratuitamente”, afirma o titular da pasta da Saúde.

O software, chamado AGHUse, é um sistema que permite registrar os processos administrativos, assistenciais e de apoio à assistência de forma integrada. Com ele é possível padronizar as práticas das unidades de saúde e permitir a criação de indicadores estaduais, o que facilitará a criação de programas de melhorias comuns para todos.

No módulo assistencial, o software contempla o paciente desde a sua entrada na unidade, podendo criar ou não um prontuário eletrônico. Nele é possível especificar as informações clínicas do paciente, englobando todos os atendimentos realizados no hospital, classificados por tipo de informação: internações, cirurgias, exames realizados, procedimentos e diagnósticos. Já a seção de internação contempla gestão de leitos, transferência de pacientes, alta administrativa, entre outros itens

Além disso, o AGHUse dispõe dos módulos assistenciais para ambulatórios, emergência, perinatologia, cirurgias, procedimento diagnóstico e terapêutico, prescrição médica e de enfermagem, controles do paciente, anamnese e evolução, exames, farmácia, controle de infecção, sessões terapêuticas, certificação digital, transplantes, nutrição, dentre outros.

No módulo administrativo se faz a gestão de faturamento, custos, custos hospitalares, compras, estoque, financeiro, investimento, patrimônio, ordens de manutenção, projetos de pesquisa e análise de dados.