Dúvidas com e-SUS? Podemos ajudar

Com a implantação e utilização do e-SUS nos municípios baianos, algumas dúvidas estão surgindo no período de adaptação com o uso da estratégia. Com o objetivo de esclarecer esses questionamentos, o apoio institucional da DAB tem levantado algumas questões específicas das regiões e encaminhado para o conhecimento e atendimento a demanda por meio do Ministério da Saúde.

Perguntas frequentes:

P: Como devemos proceder o registro na ficha de atendimento individual de pessoas que não se enquadram nos subgrupos disponíveis, como por exemplo: um paciente com problema osteo-muscular (lombalgia), renal, etc. Onde devemos registrar?

R: Na ficha de atendimento individual o registro ocorre no campo “problema/condição avaliada”. No caso de não haver opções descritas nesta coluna, será necessário o uso do código CIAP – Classificação Internacional de Assistência Primária – (uso de todos os profissionais da AB) ou CID – Classificação Internacional de Doenças – (de uso médico e especialidades), localizado no verso da ficha. No caso exemplo citado (lombalgia) seria utilizado o código CIAP L03 ou CID M54 de classificação geral (para outras condicionalidades de saúde, verifique a classificação desejada).

P: Caso o município já tenha deflagrado todo o processo de implantação e capacitação, dentro do primeiro prazo de transição SIAB/SISAB (junho/14), já tenha iniciado desde junho o cadastro (individual e domiciliar) e em julho os demais registros para alimentação do e-SUS com algumas dificuldade, mas que já tenha deixado de utilizar o SIAB. Qual o procedimento?

R: É possível que algumas informações do município esteja em desacordo com a base de dados do Ministério da Saúde. Para que isso não ocorra, é necessário observar alguns pontos para evitar erros no processo de envio de dados para base federal, a saber:

Observar a forme de envio de dados, se manual ou automático, sendo manual quando o envio ocorre logo após a digitação de um volume de fichas ou automático após a 0h com o computador que possui o PEC centralizador permanentemente ligado;

Não acumular muitas fichas para digitação no mesmo dia, esse comportamento poderá apresentar problemas durante o envio de dados. Uma rotina de digitação deve ser criada para que as fichas não sejam acumuladas por muitos dias;

Observar as configurações mínimas do equipamento de trabalho. O processador do computador, recomendado é Core i3 ou superior. Modelo de computadores antigos não comportam o volume de dados processados, podendo apresentar erros durante o processo;

Verificar junto a prestadora do serviço de internet local a velocidade mínima de 5 MB/s para envio de dados. Velocidade inferior ou flutuações em determinados períodos de maior uso da internet, podem impedir o envio adequado dos dados. Certifique-se de que o município atenda a todos os pré-requisito. Em alguns casos o sistema pode fornecer a confirmação do envio dos dados e por inadequações na estrutura operacional, as informações não são registradas na base de dados do Ministério. Em caso de persistirem as falhas durante o processo de envio de dados para base federal, favor entrar em contato imediatamente para averiguação.