Secretaria da Saúde Portal Sesab SUS - 20 Anos
English Spanish

Últimas Notícias

Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme

E-mail Imprimir PDF

No dia 19 de junho é comemorado o Dia Mundial de Conscientização sobre a Doença Falciforme. Essa data foi estabelecida pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em 22 de dezembro de 2008, e representa uma data de grande importância devido à presença significativa da doença na população brasileira.

Considerada uma das doenças genéticas mais comuns no Brasil, é na Bahia que a doença falciforme apresenta a maior taxa de incidência do país. Estima-se que para cada 650 nascidos vivos, 1 tem a doença, e, para cada 17 nascidos, 1 apresenta o traço da doença.

A doença falciforme é causada por uma modificação genética, cuja principal característica é a alteração do glóbulo vermelho do sangue (hemácias). As células alteradas tomam a forma de foice, o que dificulta a passagem do sangue pelos vasos de pequeno calibre e a oxigenação dos tecidos.

A doença ainda não tem cura, mas, o diagnóstico precoce é fundamental para orientar as famílias quantos aos cuidados necessários, identificar situações de risco e garantir melhor qualidade de vida ao paciente.

Na Bahia, a Fundação Hemoba é o centro de referência para atendimento às pessoas com doenças hematológicas benignas, incluindo a doença falciforme. O tratamento inclui cuidados pessoais, acompanhamento médico regular, medicamentos e transfusões de sangue.

Diagnóstico

Nos bebês recém-nascidos é feito o teste do pezinho ainda na maternidade. Entretanto, o exame de eletroforese de hemoglobina é a outra opção para diagnóstico e pode ser realizado em qualquer idade.

Tratamento

A Hemoba é referência para tratamento das pessoas com doença falciforme e responsável também pela assistência transfusional e farmacêutica, incluindo a dispensação de medicamentos de alto custo, como Hidroxiureia e Deferasirox. A instituição realiza, ainda, Doppler transcraniano e curativos para úlceras maleolares. Quando descoberta a doença, o paciente deve ter acompanhamento médico adequado, baseado em um programa de atenção integral à saúde. Os atendimentos são realizados por hematologistas pediátricos e adultos, equipe de enfermagem, fisioterapeutas, odontologistas, psicólogos e assistentes sociais.

Mais informações também podem ser acessadas através das páginas oficiais da Fundação no Facebook (fb.com/hemoba) e no Instagram (@hemobaoficial).

 

Ascom/Hemoba