Balanço 2015 - Saúde sem fronteiras: mais serviço, mais assistência

O compromisso do Governo do Estado de ampliar e descentralizar o acesso aos serviços de saúde em toda a Bahia, já apresenta resultados. Só o programa Saúde Sem Fronteiras, que foi lançado este ano pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e reúne os serviços itinerantes de rastreamento do câncer de mama, oftalmologia, odontologia e doação de sangue, beneficiou mais de 125 mil pessoas.

Com investimento anual de até R$ 40 milhões, as iniciativas, antes isoladas, foram integradas e ganharam atenção redobrada. Além do atendimento tradicional em unidades fixas, o programa Saúde sem Fronteiras ampliou para 17 veículos (carretas e ônibus), que circulam nos quatro cantos do estado para levar, cada vez mais, serviços considerados de difícil acesso para a população.

Mais Serviço

Rastreamento do Câncer de Mama
Este ano, o serviço de rastreamento do câncer de mama realizou cerca de 80 mil exames de mamografia e beneficiou mulheres de 50 a 69 anos, das regiões de Paulo Afonso, Teixeira de Freitas, Salvador, Feira de Santana, Barreiras e Porto Seguro.

Além do diferencial de ser feito em unidades móveis, o que contribui para alcançar o público-alvo até em pequenas cidades, na eventualidade de mamografias inconclusivas a paciente é encaminhada para exames complementares e tratamento, visando à integralidade do atendimento.

Para as mulheres com diagnóstico positivo, o tratamento cirúrgico, quimioterápico ou radioterápico é realizado em unidades de alta complexidade em oncologia, na região de residência das pacientes. Em síntese, esta é uma ferramenta de acesso da mulher às ações de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

Odontologia
Com o objetivo de ampliar e qualificar o acesso à assistência odontológica, o Estado tem, simultaneamente, investido em ações nos municípios com carência nessa especialidade e em comunidades na situação de vulnerabilidade social. Em 2015, o número de crianças, adultos, idosos e pessoas com deficiência ultrapassou 51 mil atendimentos, em 36 cidades.

Nos veículos adaptados, são realizados os seguintes procedimentos: restauração, cirurgias de alta e baixa complexidade, tratamento de canal, coroa provisória, aplicação de flúor, exame radiológico, periodontia (tratamento de gengiva), entre outros.

Oftalmologia
Ao reconhecer a existência de vazios assistenciais e baixa cobertura de serviços oftalmológicos nos municípios, a Secretaria da Saúde do Estado busca ampliar o acesso da população nesta área. O programa prevê, em cada etapa, a realização de até 5 mil consultas oftalmológicas e 1,5 mil cirurgias de catarata. Este ano, alcançamos 15 mil atendimentos, beneficiando pessoas de 44 municípios. O público alvo é composto por alunos do Programa TOPA (Todos pela Alfabetização) e população com idade a partir de 60 anos.

Doação de Sangue
Para ajudar a salvar vidas, a Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba), órgão ligado à Sesab, dispõe de dois ônibus denominados de Hemóvel. Com duas unidades móveis,  que se deslocam para regiões com grande fluxo de pessoas, a resposta da população tem sido positiva, elevando o número de bolsas de sangue captadas.

Um Hemóvel tem capacidade para coletar 120 bolsas de sangue, em jornada de oito horas. Além disso, a equipe de captação faz também o cadastro para a doação de medula óssea. Uma amostra do DNA do doador vai para o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) e, em caso de compatibilidade com algum paciente, o transplante é realizado. Em nível de captação, as unidades móveis superam 23 das 24 unidades de coleta no estado.

Em 2016, duas novas unidades móveis serão adquiridas com o objetivo de ampliar a área de visitas dos hemóveis e, com isso, aumentar a captação de bolsas de sangue no estado. Ainda nessa direção, um projeto pioneiro de captação de sangue também será inaugurado em postos do SAC, começando pela unidade de Cajazeiras, em Salvador.

Mais Assistência

Uma radiografia da rede de hospitais e serviços contratados nos últimos doze meses aponta que, se ainda não é possível dizer que todos os problemas foram resolvidos na área da saúde, certamente os 265 novos leitos abertos neste período, o equivalente a um Hospital Geral do Estado (HGE), dão uma ideia de que os rumos estão corretos.

Os números são resultado do esforço da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab) em otimizar o gasto público para abrir novos leitos nas unidades já existentes. Nesse sentido, a partir do corte de custos das atividades meio, foram redirecionados recursos para a contratação de profissionais, aquisição de equipamentos e conclusão de pequenas intervenções nas unidades hospitalares que impediam a abertura de leitos. De acordo com o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, “graças à revisão de processos, contratos, atividades administrativas e ajustes de folha salarial, foram economizados mais de R$ 20 milhões por mês, o que permitiu o redirecionamento de investimentos e a abertura de novos leitos e serviços”, afirma.

Para ilustrar o impacto das ações, o Hospital Geral Roberto Santos, que é a maior unidade de saúde pública do Norte-Nordeste, abriu neste ano 62 novos leitos de internação e UTI, a partir de pequenas adequações estruturais, bem como contratou 402 profissionais, principalmente enfermeiros e técnicos de enfermagem. A melhoria de indicadores pode ser observada na duplicação do número de cirurgias, na redução do tempo de internação de pacientes de clínica médica, de 32 para 11 dias, bem como na economia de R$ 30 milhões por ano.

Esse aumento de eficiência é resultado do esforço de profissionalização da gestão, maior controle dos recursos humanos e financeiros disponíveis, bem como do estabelecimento de metas.

Novos contratos
Outra estratégia adotada para regionalizar o atendimento à população e abrir novos leitos foi a contratação de leitos nas redes privada e filantrópica. Ao longo deste ano, foram investidos cerca de R$ 25 milhões para ofertar novos leitos e serviços de média e alta complexidade nos municípios de Itabuna, Irecê, Jequié, Conceição do Coité e Barra.

Em Itabuna, os investimentos da Sesab impediram que a Santa Casa de Misericórdia, importante centro de atendimento da região, fosse fechada. A partir da intervenção da Secretaria da Saúde do Estado, já passaram a funcionar mais dez leitos, evitando que pacientes fossem transferidos para Salvador, sobrecarregando os hospitais da capital com procedimentos que poderiam ser realizados no interior.

Além de leitos, diversos serviços foram contratados no interior, a fim de atender à população no interior do Estado, tais como hemodiálise, hemodinâmica e cardiologia, que possibilitam realizar procedimentos como cateterismo, angioplastia e implante de marca-passo.

Consórcios de Saúde
Com o entendimento de que o município sozinho não tem condições de ofertar integralmente os serviços necessários à população, o Estado da Bahia criou o programa de Consórcios de Saúde como alternativa de gestão. Este é um novo modelo de financiamento para a saúde, que busca, simultaneamente, ofertar mais serviços, descentralizar a assistência e auxiliar no reequilíbrio das finanças municipais.

A meta é que sejam formados 28 consórcios e construídas policlínicas com até 13 especialidades, a exemplo de cardiologia, angiologia e endocrinologia, tendo o Governo da Bahia e os municípios como consorciados. O Estado será o responsável pela construção e aquisição dos equipamentos das unidades, tais como ressonância, tomógrafo e ecocardiograma, além de co-financiar 40% do custeio, enquanto os municípios consorciados ratearão o restante. O investimento estimado em cada policlínica será de R$ 12 milhões (construção e equipamentos), enquanto a manutenção gira em torno de R$ 700 mil por mês.

Inovação
Em 2015, a Bahiafarma, empresa vinculada à Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), assinou acordos internacionais para a transferência de tecnologia e comercialização de produtos nas áreas de prótese, órtese, testes rápidos para diagnóstico e até medicamentos para Câncer e Anemia Falciforme. Um novo patamar no cenário nacional foi alcançado com a assinatura de um memorando de entendimento para produção de três medicamentos antivirais e antirretrovirais para o tratamento de HIV/Aids e Hepatite C.

Até 2016, a Bahiafarma disputará a liderança de inovação e faturamento entre os laboratórios públicos no Brasil, se equiparando a entidades com décadas de tradição, como o Instituto Butantã, em São Paulo, e Bio-Manguinhos e Farmanguinhos, no Rio de Janeiro. Todo este trabalho visa reduzir progressivamente os custos do Sistema Único de Saúde (SUS) com a aquisição de medicamentos e, desta forma, ampliar o acesso da população aos diversos tratamentos.

A Bahiafarma é estratégica no processo de atração e fixação de laboratórios e indústrias farmacêuticas para a criação de um polo farmoquímico na Bahia nos próximos anos. Com o propósito de captar outros negócios possíveis de serem assimilados, independentes de transferência de tecnologia via Parcerias de Desenvolvimento Produtivo (PDP), a Bahiafarma tem prospectado projetos considerando a necessidade de investimento, custo de produção, disponibilidade de mercado e demanda de consumo do SUS.

Teste Rápido

A campanha de combate ao mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya teve neste ano um grande reforço: foi desenvolvido um teste rápido, que associado a um smartphone com GPS, permite, simultaneamente, o georreferenciamento (Google Maps) dos casos, a fim de controlar rapidamente os surtos, bem como ter o resultado em apenas 20 minutos, o que antes demorava até 60 dias. Esta foi uma ação inédita no país e os primeiros municípios a dispor do teste rápido foram Feira de Santana, Riachão do Jacuípe e Ribeira do Pombal. No combate ao mosquito Aedes, que também transmite a zika, foram investidos em toda a Bahia mais de R$ 13 milhões, além de campanhas educativas e capacitação para supervisores no trabalho de campo.

PPP de Imagem

A Parceria Público-Privada (PPP) de Imagem é uma iniciativa pioneira no país que proporcionará o provimento dos serviços de telemedicina, diagnóstico e bioimagem em Unidades Hospitalares da rede própria do Estado. Já entrou em operação a primeira fase em onze hospitais: na capital, já funciona no Ernesto Simões, Otávio Mangabeira, Roberto Santos, Geral do Estado, além do Centro Estadual de Oncologia (Cican). No interior, destaque para os hospitais de Vitória da Conquista, Guanambi, Camaçari, Menandro de Faria (Lauro de Freitas),  Luíz Viana Filho (Ilhéus) e Prado Valadares (Jequié). Nessa fase a empresa assume a manutenção dos equipamentos existentes e começam a chegar as novas máquinas de ressonância, tomógrafos, mamógrafos e raio-x.

O interesse público é ofertar mais serviços de saúde a população e nesse sentido, as Parcerias Público-Privada são um sucesso. Especificamente o projeto de PPP de Imagem para o Sistema Único de Saúde (SUS) aumentará a oferta de exames em até 600% na Bahia.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) tem o compromisso de investir em inovação e tecnologia, reduzindo assim o tempo de espera por exames de imagem de alta complexidade e melhorar os níveis de qualidade no atendimento dos pacientes internados nos hospitais estaduais. A evolução no parque tecnológico de imagem será sensível, pois os equipamentos substituídos têm, em média, mais de dez anos. A diferença principal é na velocidade de aquisição da imagem e resolução.

 

Youtube Flickr Facebook Twitter