Página Inicial > Notícias Cidadão Usuário > Estado e Forças Armadas se unem no combate ao Aedes aegypti

Estado e Forças Armadas se unem no combate ao Aedes aegypti

Seis mil e seiscentos militares das Forças Armadas e agentes de saúde pública realizam das 8 às 18h deste sábado (13), uma série de ações de combate ao Aedes aegypti na Bahia, com a presença do ministro da Saúde, Marcelo Castro. As atividades integradas fazem parte da segunda etapa da Operação Força Amiga, que acontece simultaneamente em todos os estados brasileiros. Ao todo, mais de 220 mil militares estarão mobilizados para o enfrentamento ao inseto.

Esta fase da operação é focada na conscientização a respeito dos riscos da proliferação do mosquito e dos efeitos negativos das doenças provocadas pelo inseto. Os voluntários vão visitar residências e estabelecimentos comerciais e orientar a população por meio do diálogo e da entrega de material gráfico.

"Vamos motivar à população a abraçar essa causa. Não é possível acabar com o mosquito sem o apoio das pessoas. Queremos a colaboração delas nesse esforço nacional", afirmou o comandante da 6ª Região Militar, general Arthur Costa Moura, durante entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (12), no Quartel da Mouraria.

No município de Valença, onde está para entregar obras, o governador Rui Costa falou afirmou que a presidente Dilma instituiu o sábado como o dia de combater o mosquito. "Esse bichinho que mal dá para enxergar está trazendo um monte de doenças. Além da Dengue, tem também a Zika e a Chikungunya, às vezes, as três aparecem juntas".

Ele informou ainda que, entre o mosquito colocar os ovos e as larvas nascerem, demora apenas sete dias e que cada mosquito voa a uma distância máxima de 200 metros de onde nasceu. "Significa que, para ficar livre do mosquito, basta que cada um cuide da sua casa. Se a casa ao lado está fechada e tem água parada, chame a prefeitura, pois a presidente Dilma autorizou que a Polícia e o Exército ou os fiscais da prefeitura tomem as providências, se houver foco do mosquito".

A campanha, desenvolvida pela 6ª Região Militar, 2º Distrito Naval, Base Aérea de Salvador e por agentes de saúde do estado, reforça as ações que já são realizadas na Bahia pelo governo estadual. Os municípios de Salvador, Feira de Santana, Barreiras (Oeste), Paulo Afonso (Vale do São Francisco), Ilhéus, Itabuna (Sul), Vitória da Conquista (Sudoeste), Juazeiro (Norte), Camaçari, Santo Antônio de Jesus (RMS), Porto Seguro (Extremo Sul), Alagoinhas (Nordeste) e Jequié (Centro Sul) contarão com representantes dos governos federal e estadual, além das Forças Armadas, que também atuarão em cinco cidades do estado de Sergipe.

Entre as presenças confirmadas na ação deste sábado também estão a secretária executiva da Casa Civil da Presidência da República, Eva Chiavon, em Vitória da Conquista, do secretário do Ministério da Justiça, Marivaldo Pereira, em Barreiras, do ministro interino da Secretaria da Aviação Civil, Guilherme Ramalho, em Feira de Santana, e do reitor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), João Carlos Salles, em Camaçari.

Aplicativo para denúncias

Para quem quiser contribuir com denúncias, o Governo do Estado abriu um novo canal de comunicação por meio do aplicativo Caça-mosquito. Disponível apenas para plataforma Android, o software serve para que os focos do mosquito sejam apontados pela população. Como resposta às denúncias, a Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) envia agentes de endemias para eliminar as larvas. Até o momento, dez mil downloads já foram realizados e mais de 30 mil notificações registradas.

"O aplicativo foi lançado no início de janeiro e muita gente já baixou nos celulares. Ele nos ajuda na missão de conter a proliferação do mosquito, eliminando os focos. Nós queremos chegar a um milhão de denúncias até o final de março. Ele é muito importante para o combate ao Aedes aegypti", destacou o subsecretário estadual da Saúde, Roberto Badaró.

Terceira etapa

Um pequeno inimigo, porém letal. O Aedes aegypti - mosquito transmissor da dengue, febre Chikungunya e do Zika Vírus tem sido o pesadelo de milhões de pessoas nos quatro cantos do mundo. Tem contribuído indiretamente para o surgimento de doenças como a síndrome de Guillain Barré e do aumento do número de casos de microcefalia - uma má formação do crânio de bebês, que nascem com o perímetro cefálico menor ou igual a 32 centímetros. Por meio da Operação Força Amiga, as Forças Armadas, o Governo do Estado e as prefeituras locais já combatem o mosquito e preparam para a próxima semana intensificar a eliminação dos focos.

Na terceira etapa, que acontece na próxima semana (15 a 18), Exército, Marinha e Aeronáutica farão visitas nas residências junto com os órgãos estaduais e municipais para o combate e a erradicação de focos do mosquito. O Governo da Bahia também atuará nas escolas, com a distribuição de cartilhas e palestras sobre as formas de eliminação dos criadouros, além da capacitação de cerca de mil agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que levarão informação aos quatro cantos do estado. A ação também acontece nos outros estados brasileiros.

Secom
Zika/forças armadas

 

Notícias Relacionadas

Youtube Flickr Facebook Twitter

Av. Luis Viana Filho, 400, Secretaria da Saúde, Centro Administrativo da Bahia - CAB, CEP 41.745-900 - Salvador/Bahia - Central de Informações: 71 3115-4199
Site desenvolvido pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia em plataforma Joomla em conformidade com a W3C. Ativo desde 22/12/2014