Principais ações

  • Conhecer o perfil de morbimortalidade, socioeconômico e demográfico do território;
  • Realizar análise de situação de saúde para subsidiar as ações de Vigilância em Saúde Ambiental;
  • Mapear áreas com populações expostas ou potencialmente expostas, identificando também populações vulneráveis (crianças, idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais) expostos ou potencialmente expostos a contaminantes químicos;
  • Priorizar os principais contaminantes químicos, identificando as rotas de exposição relacionadas à população;
  • Desenvolver estratégia de gestão para atuação em áreas com populações expostas ou potencialmente expostas e acompanhar as condições de saúde da população;
  • Coordenar e estimular ações intrassetoriais entre as áreas de vigilância em saúde ambiental, vigilância epidemiológica, vigilância sanitária, vigilância em saúde do trabalhador, laboratórios de saúde pública e assistência à saúde (atenção básica, média e alta complexidade);
  • Fomentar ações Inter setoriais para enfrentamento da exposição à contaminantes químicos;
  • Implementar, analisar e qualificar os dados dos sistemas de informação em saúde, para realização da vigilância de populações expostas ou potencialmente expostas a áreas contaminadas;
  • Definir e monitorar indicadores;
  • Elaborar e implementar programa de comunicação de risco à saúde;
  • Realizar capacitação de profissionais;
  • Desenvolver ações de educação em saúde e mobilização social;
  • Apoiar o desenvolvimento de estudos e pesquisas.

As ações de Vigilância de Populações Expostas a Contaminantes Químicos (VIGIPEQ), serão realizadas pelos municípios de acordo com a Resolução CIB 249/14, com anexo atualizado pela Resolução CIB 34/16.