Estrutura

No Estado da Bahia o sistema de vigilância epidemiológica é coordenado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVEP), órgão vinculado à Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde (SUVISA) da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB). A estrutura da vigilância epidemiológica estadual é formada pela unidade de nível central (DIVEP), com suas coordenações e respectivos grupos técnicos e, no nível regional, pelos  Núcleos Regionais de Saúde e suas respectivas Regionais de Saúde.

 

1- Coordenação de Ações Estratégicas – CAEST, a qual compete: prestar apoio técnico aos Núcleos Regionais de Saúde (NRS) no que concerne às ações de planejamento, monitoramento, avaliação e descentralização de recursos financeiros, com fins de fortalecer o processo de regionalização;  Coordenar os processos de gestão dos Sistemas de Informação em Saúde –SIS (SIM,SINASC e SINAN), no âmbito estadual, de interesse na área da vigilância, planejamento e programação em saúde, em articulação com o Ministério da Saúde, assegurando a manutenção dos fluxos e periodicidade dos dados;  Gerenciar a qualidade dos dados produzidos pela rede de serviços de saúde de registro de nascimentos, óbitos e dos agravos de notificação compulsória de interesse para a saúde pública;

2- Coordenação de Imunizações e Vigilância e Controle de Doenças Imunopreveníveis – CIVEDI, a qual compete: coordenar a política estadual de imunização e de vigilância epidemiológica das doenças imunpreveníveis;  Coordenar, no âmbito estadual, a Rede de Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais – CRIE, a fim de suprir as unidades da rede de frio com os imunobiológicos específicos;  Implantar e implementar Boas Práticas de Vacina nas redes públicas e privadas;  Coordenar as campanhas de imunização em articulação com a esfera nacional do Programa Nacional de Imunizações (PNI), considerando diretrizes e determinações da gestão no âmbito da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab);  Coordenar o processo de monitoramento e avaliação dos indicadores de coberturas vacinais no estado, visando o alcance de metas estabelecidas e a identificação das áreas de risco;

3- Coordenação de Vigilância Epidemiológica das Doenças e Agravos Não Transmissíveis – CODANT, a qual compete:  coordenar, no âmbito estadual, as ações relacionadas à vigilância epidemiológica, prevenção e controle das doenças e agravos não transmissíveis; Apoiar tecnicamente os Núcleos Regionais de Saúde e municípios na implementação da política de redução dos agravos e doenças não transmissíveis de interesse para a saúde pública; Monitorar os Sistemas de Informação Nacional relacionados às Doenças e Agravos Não Transmissíveis;

4- Coordenação de Vigilância Epidemiológica de Agravos Transmissíveis – COAGRAVOS, a qual compete: coordenar a política estadual de vigilância, prevenção e controle de agravos e doenças transmissíveis de interesse para a saúde pública, em consonância com as diretrizes nacionais; Apoiar tecnicamente os Núcleos Regionais de Saúde e municípios na implementação da política de redução dos agravos e doenças transmissíveis de interesse para a saúde pública; Gerenciar a logística de insumos para ações de controle das doenças transmissíveis sob responsabilidade estadual; Coordenar os processos de gestão dos Sistemas de Informação em Saúde relacionados aos agravos e doenças transmissíveis;  Gerenciar a vigilância epidemiológica do óbito infantil e fetal, materno e causas mal definidas e de agravos e doenças transmissíveis de interesse do estado;

5-Coordenação de Vigilância Epidemiológica e Controle de Doenças Transmitidas por Vetores e outras Antropozoonoses – CODTV, a qual  compete: coordenar a política estadual de doenças transmitidas por vetores e outras antropozoonoses de interesse para a saúde pública; Coordenar e apoiar a execução da investigação de eventos sentinelas relacionados às doenças transmitidas por vetores e outras antropozoonoses sob vigilância; Gerenciar a logística de insumos para ações de controle vetorial, de epizootias e entomológica em âmbito estadual, apoiar tecnicamente os Núcleos Regionais de Saúde e municípios na implementação da política de redução dos agravos e doenças transmissíveis por vetores e outras antropozoonoses de interesse para a saúde pública; Coordenar os processos de gestão dos Sistemas de Informação estadual e nacional relacionados às doenças transmitidas por vetores e outras antropozoonoses;

6- A Coordenação de Investigação e Informação Estratégica de Vigilância em Saúde – CIEVS, a qual compete: coordenar o processo de detecção, monitoramento e respostas às emergências em saúde pública em tempo oportuno; Implantar e implementar a Vigilância de Notificação e Investigação Epidemiológica Hospitalar;

7- A Coordenação de Análise de Situação de Saúde – COASS, a qual compete: coordenar o processo de estudos e projetos concernentes à área de informação em saúde, visando subsidiar a formulação de políticas públicas do Estado; Elaborar estimativas populacionais e outros indicadores demográficos, em articulação com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ministério da Saúde (MS) e Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (SEI);

8- A Coordenação de Suporte Estratégico Tecnológico – COSET, a qual compete: gerenciar a administração dos sistemas de informação em saúde, referente à vigilância epidemiológica, em articulação com o Ministério da Saúde, assegurando a integridade das bases de dados;  Assegurar  o funcionamento da infra-estrutura de rede e de conectividade com a Internet em articulação com os setores de tecnologia do Estado;

9- A Coordenação de Suporte Operacional – CSO, a qual compete: coordenar, executar, controlar e desenvolver as atividades da gestão financeira das atividades de Vigilância Epidemiológica em consonância com o planejamento da Superintendência em articulação com o Fundo Estadual de Saúde – FESBA; Gerir, planejar, acompanhar, orientar e controlar a aquisição de serviços, administração de material, patrimônio, almoxarifado,  manutenção predial, frota de veículos, solicitação passagem e diárias, e protocolo no âmbito da Diretoria, em consonância com as determinações da DGE;

10- A Coordenação de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde – COGTES, a qual compete: coordenar e desenvolver estratégias de valorização do servidor, em consonância com a Política Estadual de Gestão e Humanização do Trabalho no SUS;  Coordenar, executar, controlar e desenvolver as atividades referentes à gestão, planejamento, monitoramento, acolhimento de servidores, readaptação/ reintegração e avaliação de Recursos Humanos, do acompanhamento da vida funcional e da proteção da saúde dos trabalhadores, em consonância com as normas da administração pública e políticas estadual e nacional de gestão do trabalho e educação em saúde no SUS. Planejar, executar, apoiar e participar do desenvolvimento de processos formativos, de educação permanente para as ações de Vigilância Epidemiológica;